Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Nomeação de Sergio Camargo para a direção da Fundação Palmares já havia sido suspendida pela Justiça Federal do CENomeação de Sergio Camargo para a direção da Fundação Palmares já havia sido suspendida pela Justiça Federal do CE

‘Escória maldita’

(brpress) - É como Sergio Camargo, diretor da Fundação Cultural Palmares, fala de suposto furto de celular por "vagabundo do Movimento Negro"; DPU pede ao STF saída de aliado de Bolsonaro.

(brpress) – “Escória maldita”. É como Sergio Camargo, diretor da Fundação Cultural Palmares, fala de suposto furto de celular por “vagabundo do Movimento Negro”, em reunião revelada por O Estado  de S. Paulo. A declaração fez a Defensoria Pública da União (DPU) pedir ao SupremoTribunal Federal (STJ) a saída urgente de Camargo do comando da Fundação Palmares.  Em fevereiro, presidente do tribunal atendeu pedido do governo e liberou a nomeação.

Em nota, Camargo, que é jornalista e já foi funcionário do grupo, na Rádio Eldorado FM, chamou a gravação de “ilegal” e nela ouve-se o linguajar de baixo calão, na linha da reunião entre Bolsonaro e ministros, que culminou na demissão de Moro, incluindo ordens para que equipe entregue “funcionários esquerdistas”: “Quero exonerar estes FDPs”, diz Camargo.

Zumbi

Camargo também desqualificou publicamente Zumbi dos Palmares, líder quilombola brasileiro considerado como herói que luto pela liberdade dos negros no Brasil escravocrata colonial. 

A ONG Educafro, que trabalha pela inclusão dos afro-brasileiros, apresentou representação no Ministério Público contra Camargo. Ao que parece, a Anistia Internacional estava certa ao afirmar que o Brasil vive um retrocesso em direitos humanos, a começar pelos discursos abertamente contrários e ofensivos a eles adotado por autoridades. 

Segundo a Anistia, em 2019 o Brasil viu o discurso abertamente contrário aos direitos humanos adotado por autoridades no país se traduzir em medidas administrativas e legislativas, com impactos concretos na limitação e na perda de direitos fundamentais da população. Fatos nos quais se baseiam esta afirmação foram apresentados no relatório Direitos Humanos nas Américas: retrospectiva 2019, divulgado em fevereiro de 2020. 

O próximo relatório, referente ao ano corrente, deve ser ainda mais contundente no quesito retrocessos.