Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Paulo Markun e Marco Aurélio KleinPaulo Markun e Marco Aurélio Klein

O doping documentado

(São Paulo, brpress) - Documentário A Corrida do Doping, de Paulo Markun, mostra indústria da dopagem estabelecida, com conivência de poderosos às portas da Rio 2016. Assista a vídeo exclusivo. Por Juliana Resende e Claudina Corrêa.

(São Paulo, brpress) – A chapa esquentou para a Rússia nestes Jogos Olímpicos. O motivo não é político como insiste o presidente Vladimir Putin, mas uma questão ética: o doping. O escândalo revelado há duas semanas do início da Olimpíada, quando o relatório da Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) apontou participação estatal em um amplo esquema de doping na Rússia durante os Jogos de Inverno de Sochi, sugerindo que o governo russo “dirigiu e controlou” o esquema, culminou com o banimento do atletismo da Rússia da Rio 2016. A Wada sugeriu que toda a delegação russa fosse impedida de participar destes Jogos, mas o Comitê Olímpico Internacional (COI) dediciu deixar atletas russos participaram – desde seja testados negativos em todos os exames antidoping, segundo critérios das federações internacionais de cada modalidade olímpica.

 Em meio a esse turbilhão sobre o tema mais controverso do esporte atualmente e, pelo que parece, destes Jogos Olímpicos, o documentário A Corrida do Doping (Brasil, 2016, 90min, 12 anos), dirigido pelo jornalista Paulo Markun, vem a calhar. Markun e o sociólogo Marco Aurélio Klein, ex-secretário nacional da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), conversaram com o publico que foi à estreia do filme, em sessão gratuita na terça (19/07),  no CineSesc. O filme, que oferece um panorama informativo completo sobre o doping e suas dimensões enquanto prática apoiada por uma indústria estabelecida, também será exibido na Globonews, no dia 30/0, às 21h. 

A Corrida do Doping mostra médicos, atletas – os que assumem ter usado doping e os que denunciaram esquemas, como a meio-fundista russa Yulia Stepanova, que revelou o esquema de doping russo à emissora ARD e está refugiada nos Estados Unidos –,químicos e autoridades olímpicas discutindo a problemática do doping, sugerindo que trata-se de uma prática amplamente utilizada, com a conivência de treinadores e federações esportivas,  nas mais diversas competições  e diversos países.

Antes da exibição de A Corrida do Doping, o jornalista Paulo Markun concedeu entrevista exclusiva à brpress.

Você imaginava que o doping tomaria as dimensões que tomaram às vésperas da Rio 2016?

Paulo Markun – É delirante! Jamais pensamos que, há poucos minutos antes da estreia do documentário, a gente sabe se a Rússia vai competir nos Jogos do Rio de Janeiro [o Comitê Olímpico Internacional deu um prazo de sete dias para tomar uma decisão final sobre a exclusão ou não da Rússia como um todo da Rio 2016]; não sabemos se o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), que custou R$ 188 milhões, vai estar disponível para  fazer as análises de sangue e de urina dos 6 mil atletas que vão participar dos jogos olímpicos do Rio [no dia seguinte à exibição do filme, o LBCD, que havia sido suspenso por resultados falsos positivos devido a erros técnicos, foi liberado Agência Mundial Antidoping (Wada)]; não sabemos ainda o desfecho das denúncias de dopagem de atletas ingleses no Quênia. A cada dia surge um novo escândalo e um novo desdobramento – parece a Operação Lava Jato.

O que fica evidente, na sua opinião, diante da avalanche de fatos relacionados ao doping?

PM –  Há interesses muito poderosos envolvidos na indústria do doping – que não é algo de fundo de quintal, feita por meia dúzia de malucos irresponsáveis. Em alguns países – felizmente não é o caso do Brasil –, o doping envolve autoridades, serviços secretos , altos interesses econômicos e financeiros de grandes empresas. Vemos também que isso acontece com absoluta conivência de órgão fiscalizadores. 

Qual é o principal alerta que A Corrida do Doping faz à sociedade?

PM – Espero que o documentário sirva para mostrar ao grande público, que o doping não é apenas uma questão relacionada ao esporte de alto rendimento, mas que diz respeito às pessoas em geral, que praticam esportes nas academias e têm acesso a produtos caracterizados como doping pela internet e em todos os lugares do mundo.

E qual é a principal mensagem que o filme quer passar?

PM – De que é possível praticar esportes, inclusive de alto rendimento, sem a necessidade de se dopar. E que é possível sobreviver tomando esta decisão. O filme destaca a história do ciclista francês Christophe Bassons, que no auge das denúncias de uso de doping pelos participantes da Tour de France, se recusou a usar da dopagem e trouxe à tona o assunto publicamente. Há também um marchador alemão que, tendo sido pego dopado, deu a volta por cima e está limpo. 

Qual é o maior desafio encontrado atualmente para o enfrentamento  e combate do doping?

PM – A maior dificuldade é saber quem efetivamente pratica ou não o doping  e faz uso destas substâncias regularmente, diante dos tentáculos da indústria do doping, e qual é a eficácia das maneiras de controlar esse uso. 

(Juliana Resende/brpress)

Assista a vídeo sobre o doping com Paulo Markun e o diretor de fotografia Marcelo Amiky falando à brpress sobre A Corrida do Doping:

https://www.youtube.com/watch?v=BUgdi_Psea0

A MONTANHA RUSSA DO DOPING

03/12/14 – Canal de TV alemão ARD exibe o documentário “Dossiê Secreto sobre Doping: Como a Rússia Fabrica seus Vencedores”, que revela esquema de doping sistemático acobertado pelas autoridades na Rússia.

05/12/14 – Comitê Internacional Olímpico (COI) anuncia abertura de investigação.

11/12/14 – Membros da Federação Internacional da Atletismo (IAAF) investigados por corrupção renunciam aos cargos de presidente da federação russa e tesoureiro da IAAF (Valentin Balakhnichev) e consultor de marketing da IAAF (Papa Massata Diack, filho do então presidente da entidade, Lamine Diack).

16/12/14 – Agência Mundial Antidoping (Wada) estabelece uma comissão de investigação independente para avaliar as acusações do canal ARD. 

01/08/15 – Às vésperas do Mundial de atletismo de Pequim, a ARD exibe outro documentário: “Doping: O Mundo Opaco do Atletismo”, com novas acusações, não apenas contra a Rússia, mas também contra o Quênia, embora delegação do país não tenha sido ameaçada de ser suspensa.

19/08/15 – O britânico Sebastian Coe, bicampeão olímpico dos 1.500 m de 1980 e 1984 e principal responsável pela organização dos Jogos de Londres-2012, é eleito presidente da IAAF, sucedendo a Lamine Diack, no cargo há 12 anos.

07/11/15 – Dois dias antes da publicação do relatório da comissão de investigação independente da Wada, um dos autores já avisa à Agence France Press que as revelações “vão abalar o esporte”.

08/11/15 – Sebastian Coe declara à France Press que está “chocado, irritado e profundamente triste” com as revelações às quais teve acesso.

09/11/15 – Wada divulga primeiras conclusões do relatório, com duras acusações de “doping organizado” na Rússia, com envolvimento dos mais altos escalões do Estado, inclusive dos serviços secretos, e pede a suspensão do atletismo russo de todas as competições internacionais, inclusive os Jogos do Rio.

11/11/15 – Nos Jogos de Inverno de Sochi, na Rússia, o presidente russo Vladimir Poutin garante total colaboração das autoridades do país e pede investigação interna, dizendo que sanções precisam ser individuais e não coletivas à delegação russa.

13/11/15 –  Conselho da Federação Internacional da Atletismo (IAAF)  suspende de forma provisória a Federação Russa de Atletismo (ARAF).

26/11/15 – ARAF desiste de recorrer e aceita a suspensão da IAAF.

14/01/16 – Wada torna pública a segunda parte do relatório da comissão de investigação, que destaca a responsabilidade de IAAF.

06/03/16 –  ARD exibe outro documentário no qual revela que a Rússia continua desrespeitando as regras da luta contra o doping.

07/03/16 – Tenista russa Maria Sharapova anuncia que foi flagrada por uso de Meldonium, substância destinada a tratar casos de diabetes e arritmia cardíaca vendida apenas no leste europeu, que passou a integrar a lista da Wada apenas em janeiro. Cerca de 200 atletas, a maioria russos, também testaram positivo por uso desse produto.

11/03/16 – O Conselho da IAAF, reunido em Mônaco, mantém a suspensão da Federação russa.

12/05/16 – Ex-diretor do laboratório antidoping de Moscou, Grigory Rodchenkov, exilado nos Estados Unidos por motivos de segurança, revela ao New York Times que os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi-2014 foram manchados por um escândalo de doping em grande escala. Rodchenkov acusa os serviços secretos de ter trocado amostras suspeitas e afirma que ao menos 15 medalhistas russos nesses Jogos estavam dopados.

08/06/16 – Em novo documentário, ARD acusa diretamente o ministro dos Esportes da Rússia, Vitali Mutko, de ter acobertado um caso de doping no futebol do país, em 2014.

17/06/16 –  Conselho da IAAF mantém a suspensão da federação russa, mas abre uma brecha para que atletas ‘limpos’ participem dos Jogos, caso preencham critérios muito rigorosos.

21/06/16 – COI decide que atletas russos repescados pela IAAF poderão competir nos Jogos do Rio usando a bandeira do próprio país, já que o Comitê Olímpico russo não está suspenso como um todo. A IAAF tinha pedido que competissem como neutros – sob bandeira olímpica.

01/07/16 – Corredora russa Yulia Stepanova, que revelou o esquema de doping na Rússia à ARD e está refugiada nos EUA, é declarada elegível pela IAAF para disputar os Jogos do Rio. Mas ela se machuca e não poderá vir.

02/07/16 – Russa Anna Chicherova, atual campeã olímpica do salto em altura, testa positivo em nova análise de amostra coletada nos Jogos de Pequim-2008 e é suspensa pela IAAF.

04/07/16 – 68 atletas russos recorrem diante do Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) para tentar derrubar a suspensão da IAAF. 

10/07/16 – Saltadora em distância russa Darya Klishina é repescada pela IAAF por treinar na Flórida, sendo submetida assim a exames mais rigorosos do que na Rússia.

18/07/16 – Wada denuncia “sistema de doping de Estado” em 30 esportes na Rússia, de 2011 a 2015.

19/07/16 – COI anuncia que vai “explorar todas as opções jurídicas”, entre exclusão coletiva de todos os esportistas russos e “direito à justiça individual”.

20/07/16 – COI anuncia prazo de sete dias para tomar uma decisão final sobre a exclusão ou não da Rússia como um todo. 

21/07/16 – O Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) rejeita recurso de 68 atletas russos contra a suspensão pela IAAF, tirando definitivamente o atletismo russo dos Jogos do Rio.

24/07/16 – COI decide que os atletas russos “limpos” poderão vir ao Rio, sob a condição que provem que estão livres de doping às federações.

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.