Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Júlio César (Démick Lopes) e Núbia (Clarisse Pinheiro)Júlio César (Démick Lopes) e Núbia (Clarisse Pinheiro)

Jungle Pilot dá panorâmica dos conflitos sobrevoando Amazônia

Políticos corruptos, traficantes de drogas, armas, madeireiras, garimpeiros e uma empresa familiar de táxi aéreo. Todos estão atrás de “bamburrar” na série brasileira da Universal TV.

(São Paulo, brpress) – Políticos corruptos, traficantes de drogas, armas, madeireiras, garimpeiros e uma empresa familiar de táxi aéreo. Todos estão atrás de “bamburrar” – se dar bem, no jargão da região do garimpo na Amazônia. Junte-se a eles mulheres fortes. É na floresta que esses personagens convivem e se digladiam em meio a conflitos e interesses. “Bem vindo ao inferno verde”, disse um ambulante ao ator Démick Lopes, durante as filmagens da série Jungle Pilot, que estreia neste domingo (15/09), às 23h, no canal pago Universal TV.

Filmar na região – apesar de o diretor Belisário Franca ser um bom conhecedor da Amazônia – foi um desafio, uma metáfora microcósmica de como é conciliar desenvolvimento e sustentabilidade, mesmo com a falta de políticas públicas neste sentido. “Apesar disso, há muita coisa legal sendo feita”, diz o diretor. Assim é também com o setor audiovisual brasileiro. “Apesar do contrassenso que é, dentro da visão supostamente liberal do atual governo, não incentivar e investir numa indústria que dá certo, gera recursos e empregos, produções de séries e filmes para grupos estrangeiros, como a Universal, vão bem e só crescem”.  

É a realidade

Jungle Pilot traz uma visão apocalíptica nem tanto da Amazônia mas dos seres que lá habitam. “Cada capítulo terá um teaser sobre o passado de cada personagem – seus traumas, suas motivações e da formação do caráter deles”, revela a roteirista Carol Garcia. O piloto e ex-garimpeiro Júlio César (Démick Lopes)  é um cara tenso, com a ideia fixa de fazer sua empresa que dá nome à série decolar a qualquer custo. Um das sócias, Núbia (Clarisse Pinheiro),  também piloto, acostumada a ser uma das poucas mulheres na aviação, é a cabeça sensata do empreendimento. Na segunda temporada ela terá de lidar com a investigadora Iara  (Camila Lorenzo) – o embate entre as duas duronas promete roubar a cena do truculento e malfeitor deputado Ruiz Laboia (Gustavo Ottoni). 

Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência. Em entrevista exclusiva à brpress, o diretor Belisário Franca fala das iniciativas sustentáveis que estão juntando progresso e preservação naqueles setores do agronegócio considerados vilões por alguns ambientalistas. Mas por que então a série mostra justamente a ação do crime organizado em conluio com autoridades e, no balança e cai, uma empresa aérea falida?  “É inevitável. É o que se vê na região amazônica e no Brasil. Um país que tem muitos criminosos – mas esse não é o mote da série. O que amarra os cinco episódios é a ambição que coloca cada um em xeque.”

(Juliana Resende/brpress)

#brpressconteudo #junglepilot #belisariofranca #amazonia #garimpo

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.