Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Rebeldes sírios carregam míssel anti-taque RPG-29, em Qaboun, Damasco. Foto: Qasioun News Agency

Feiras de itens roubados proliferam com saques na guerra da Síria

(brpress*) - É o ‘tafeesh’ – palavra síria para ‘mobiliar’ – que virou gíria para a cultura da pilhagem de áreas ‘conquistadas’.

(brpress*) – Tapete persa a US$ 5 e tudo não destruído pelas bombas e roubado pelo exército e milicianos à venda em feiras na Síria. É o ‘tafeesh’ – palavra síria para ‘mobiliar’ – que virou gíria para a cultura da pilhagem e saque de áreas ‘conquistadas’ em batalhas como a de Daara, tema de entrevista de refugiada à brpress.  Os itens são geralmente revendidos aos próprios donos, quando não são contrabandeados. Máquinas e fiação viram ferro velho. 

Segundo reportagem do LA Times, o Estado Islâmico – que, apesar de enfraquecido,  matou mais de 200 pessoas em Sweida, em ataques neste final de semana , segundo a National Public Radio (NPR), dos EUA – é mais “burocrático”: primeiro expulsa cristãos e muçulmanos xiitas de suas casas, depois retiram o que sobrou para vender, então colocam placa escrito ‘Propriedade do EI” e depois também vendem ou alugam os imóveis.

‘Oficial’

O governo de Bashar Al Assad nada faz para impedir os sistemáticos saques e feiras dos itens roubados. Cidadãos que têm suas casas e comércios pilhados temem represália. Mas há grupos no Facebook para expor e combater os ‘tafeeshs’. A reportagem do LA Times é escrita pelo correspondente em Beirute, mas tem como fonte um informante infiltrado em território sírio, cuja identidade não é revelada por questões de segurança. 

Rida Basha, repórter do canal de notícias libanês pró-governo Al Mayadeen, foi impedido de trabalhar como jornalista na Síria depois de cobrir um ‘tafeesh’ e escrever uma reportagem amplamente divulgada no início de 2017. No artigo, ele relata que um grupo paramilitar chamado Liwa al-Quds, assim como os Desert Falcons, a maior milícia privada da Síria, impediram que remessas de medicamentos entrassem em Aleppo até que pudessem vender drogas e objetos que haviam saqueado de armazéns rebeldes.

Ambas as facções, segundo Basha, trabalhavam sob a chancela da 4ª Divisão de elite do exército sírio, chefiada pelo irmão mais novo de Assad, Maher. A unidade há muito tempo é suspeita de envolvimento em extorsões em pontos de controle, bem como em ‘tafeeshs’ – informação que é de conhecimento de muitos sírios e das tropas russas leais a Assad.

Roleta russa

A prática tem causado desentendimentos entre Assad e seu maior aliado, a Rússia.  Em maio, um vídeo divulgado nas redes sociais mostrou soldados russos prendendo militares sírios tentando sair de Babbila, subúrbio de Damasco, com dois caminhões lotados de itens roubados. A população local aplaudiu quando os russos renderam os sírios e os ordenaram que deitassem no chão.

A reportagem do LA Times ouviu o especialista em facções da guerra síria Aymenn Tamimi, que definiu o ‘tafeesh’ como uma “continuação da corrupção sistêmica já existente antes”. Há ainda um componente do conflito étnico que também contribui para acirrar a guerra síria. Em cidades de maioria xiita, que apóia o governo de Assad, as feiras são conhecidos também como como souq al-Sunnah  (mercados sunitas), numa referência aos rebeldes. Alguns entendem que o ‘tafeesh’  é uma “recompensa” ao exército sírio, mal pago.

(*) Com informações do LA Tims e National Public Radio (NPR).

#tafeesh