Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

FOTO - Nando Prado em cena do musical Jekyll & Hyde - O Médico e O Monstro.Rafael Beck/DivulgaçãoFOTO – Nando Prado em cena do musical Jekyll & Hyde – O Médico e O Monstro.Rafael Beck/Divulgação

Acima do bem e do mal

(São Paulo, brpress) - Musical O Médico e O Monstro, em cartaz no Teatro Bradesco, desconstrói maniqueísmo ao defender que o bem e o mal habitam o mesmo ser. Por Lucianno Maza.

(São Paulo, brpress) – A grande qualidade do romance Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde (no Brasil, O Médico e O Monstro), de 1886, escrito pelo escocês Robert Louis Stevenson, foi desconstruir parte do conceito de maniqueísmo ao defender que o bem e o mal habitam o mesmo ser, materializando-os na dupla personalidade do protagonista Henry Jekyll, um cientista que, na Londres do século XIX, intencionava libertar o homem de seu mal. A versão brasileira em forma de musical, de Claudio Botelho, em cartaz no Teatro Bradesco, também explora estes falsos limites.

O intento soa inicialmente como benéfica ideologia, mas pode ser encarado também como perverso pensamento de pureza e superioridade humana, ao julgar quem é bom e quem não é. Em suas experiências, o doutor acaba não castrando seu lado negativo, mas sim o liberando descontroladamente, com sede de vingança e subversão, na figura do taciturno assassino Edward Hyde, com quem travará uma luta até que apenas um – ou nenhum – sobreviva.

No musical Jekyll & Hyde – O Médico e O Monstro, que estreou no início dos anos 90 nos Estados Unidos, chegando com grande sucesso à Broadway, Leslie Bricusse adapta o romance de suspense e terror de forma um pouco ligeira demais.

Mulheres

A boa ideia do libreto são as personagens femininas que representam os desejos de Jekyll e Hyde: o bem, na figura da futura esposa Emma Carew, aristocrata elegante, complacente às necessidades do noivo; e o mal personificado na prostituta Lucy Harris, libertina e apaixonada, que habita o inconsciente obscuro do personagem principal, o qual é libertado e concretizado por seu alter-ego malévolo.

Com letras do autor, a ótima música de Frank Wildhorn tem batida muito interessante e estabelece o necessário clima soturno do espetáculo. Presença indispensável aos bons musicais encenados por aqui, a versão brasileira de Claudio Botelho apresenta a excelência de costume.

Ressalvas

Apesar de ser livre de fidelidade à montagem original, a produção optou por contratar o diretor americano Fred Hanson, que atua de forma protocolar sem erros – mas também sem qualquer ousadia. As cenas são bem realizadas, com exceção do dueto na festa de noivado de Jekyll e Emma, que, numa canção íntima de amor, canta grande parte do tempo voltados para a plateia.

Muito estranho, também, é que o nome do prostíbulo, Rato Rubro, surja em português e quando aparece uma placa da farmácia lê-se “pharmacy”, e que a ponte de ferro do cenário seja usada para interligar os cômodos de uma casa inverossímel.

Bom time

O elenco é encabeçado por Nando Prado, que tem inegável entrega como o perturbado cientista e a besta fera em que se transforma. O ator constrói uma garbosa imagem para o primeiro, e se prejudica com a forma um pouco caricata na qual forja o segundo – contraditoriamente, sua boa voz cresce nas músicas entoadas pelo lado assassino.

Destacando-se com louvor, Kacau Gomes, jovem atriz que está no teatro musical desde a retomada no Rio de Janeiro, tem agora sua grande chance de brilhar num papel de protagonista. E o faz muito bem, exibindo força tanto na interpretação quanto no canto de sua prostituta.

Outra jovem e tarimbada atriz, Kiara Sasso, famosa pelos papéis principais em espetáculos de franchising da Broadway (o que avaliza sua qualidade técnica) e em montagens da dupla do versionista e Charles Möeller (assegurando sua criatividade), lida muito bem com uma personagem menor, alcançando momentos sublimes na interpretação de suas canções.

Quanto aos numerosos e acertados coadjuvantes, chamam a atenção Cidália Castro, por sua belíssima voz e humor, e Blota Filho pelo bom aproveitamento de suas cenas.

Sessões: quintas, às 21h; sextas, às 21h30; sábados, às 17h e 21h30; domingos, às 18h.

Ingressos: R$ 40,00 a R$190,00.

Teatro Bradesco/Bourbon Shopping Pompéia – Rua Turiassu, 2100 – 3o andar; (11) 3670-4141

(Lucianno Maza, do Caderno Teatral / Especial para brpress)

Cadastre-se para comentar e ganhe 6 dias de acesso grátis!
CADASTRAR

Comente agora