Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cena de QuidamCena de Quidam

Cirque du Soleil: viagem sensorial

(São Paulo, brpress) - Em cartaz no Parque Villa-Lobos, Quidam é um sonho vale o ingresso. Por Lucianno Maza.

(São Paulo, brpress) – Fundado nos anos 1980 por Guy Laliberté, o Cirque du Soleil é hoje uma das maiores instituições privadas de entretenimento do mundo, arrastando verdadeiras multidões para seus espetáculos ao redor do globo, tendo grande sucesso de vendas dos CDs e DVDs de suas produções, e influenciando as artes performáticas. Atualmente em cartaz no Parque Villa-Lobos, Quidam, de 1996, foi realizado por um dos diretores artísticos mais recorrentes na história do grupo: Franco Dragone.

O espetáculo parte da imaginação de uma menina triste e solitária, cansada de sua vida, que anseia por emoção e diversão, mas é ignorada por seus pais alienados. Num dia, ela recebe a visita de um misterioso transeunte anônimo, um homem sem cabeça, mas que carrega um chapéu – é Quidam, o personagem do título. Ao colocar o chapéu dele, a jovem é transportada para um universo fantástico, fascinante e assustador ao mesmo tempo, onde irá cruzar com figuras encantadas que parecem saídas de um sonho ou pesadelo.

Alice e Dorothy mais dark

Com um tom melancólico e onírico, a história, de certa forma, remete às jornadas das personagens Alice e Dorothy dos clássicos infantis Alice no País das Maravilhas e O Mágico de Oz. Esta linha dramatúrgica é sutil, mas estabelece bem o ambiente necessário para o show, cuja principal qualidade é criar uma trama surrealista com personagens humanos, ou próximo disso, dispensando as figuras animalescas, muito utilizadas pelo grupo.

A interessante música de Benoît Jutrás tem um forte caráter espetacular e é essencial para consolidar o clima mágico e sensorial. Com uma estética mais dark e um pouco menos de exuberância que outros trabalhos, o espetáculo causa certa estranheza à expectativa inicial que se tem da companhia, mas é realmente encantador.

Circo, afinal

É claro que não podemos nos esquecer que, apesar de todas as inovações, estamos num circo, e o foco principal são os números, dominados por acrobatas, equilibristas e malabaristas, sem deixar de lado os palhaços. E é neste ponto que reside a excelência absoluta da cia.: profissionais de técnica impressionante, num alto nível de perfeccionismo.

O conjunto é precioso, mas cabe destacar os números da roda alemã, com sua força e precisão, e o chamado Statue – Vis Versa, onde um casal, sem perder o contato com seus corpos, cria imagens impressionantes, num grande exercício de flexibilidade e concentração. Outro número de grande empatia com o público é o dos iôiôs chineses feito por quatro garotas.

Ótimos, os famosos palhaços do grupo surgem aqui em duas versões: primeiro no simpático mestre de cerimônias, que permeia a presentação, e depois no palhaço principal que faz com desenvoltura seus números tradicionais com a participação de pessoas da platéia.

Ao fim deste imperdível Quidam, a sensação que se tem é que o sonho vale o ingresso.

Sessões: quintas, e sextas, às 21h; sábados, às 17h e 21h; e domingos, às 16h e 21h. Até 04/04.

Ingressos: de R$ 190,00 a R$ 390,00.

Parque Villa-Lobos – Av. Professor Fonseca Rodrigues, 2001; (11) 4004-3100

(Lucianno Maza, do Caderno Teatral/Especial para brpress)

Cadastre-se para comentar e ganhe 6 dias de acesso grátis!
CADASTRAR

Comente agora