Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

ETA, FARC e ainda Kadafi

(Londres, brpress) - Gerenciamento do fim do terrorismo será crucial nesta nova etapa, especialmente para a Espanha, cujas eleições acontecem neste domingo (20/11). Por Isaac Bigio.

Isaac Bigio*/Especial para brpress

(Londres, brpress) – Em 20 de outubro passado, enquanto Kadafi era executado, o grupo basco ETA (sigla de Euskadi Ta Askatasuna, que, no idioma basco, quer dizer Pátria Basca e Liberdade) anunciava o encerramento definitivo de suas ações armadas – fato que, junto à crise econômica, pesa nas eleições deste domingo (20/11), na Espanha.

Duas semanas depois do anúncio do ETA, foi abatido o chefe-mor das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), Alfonso Cano. Esses três acontecimentos têm potencial para remodelar as relações internacionais no gerenciamento do terrorismo.

O kadafismo, o ETA e as FARC surgiram na década de 1970, em três continentes diferentes. Eram movimentos “irmãos” que pregavam a “resistência armada anti-imperialista”. Porém, a Líbia foi se transformando numa espécie de Cuba africana e islâmica, mas patrocinando diversas insurgências e guerras.

Relações com Ocidente

Kadafi, ao contrário do ETA e das FARC (às quais apoiou), que foram influenciados pelo marxismo guevarista, propôs uma variante da teocracia islâmica ao recusar o leninismo e criar uma autocracia nacionalista, com menos pobreza e desigualdade entre classes e sexos naquela região. Ele e sua família manejavam bilhões de euros e andavam com Sarkozy, Berlusconi e Blair, sempre fazendo transações comerciais e auxiliando-os no combate contra Al Qaeda, Hamas, Hizbolah e Irã.

Por enquanto, não sabemos se grupos armados pró-Kadafi manterão a luta armada no país e região. Mas certo é que sua queda (seguindo à de Hussein e antecedendo à do sírio Assad) mostra o fim do nacionalismo pan-árabe, que fomentava guerrilhas em outras partes do mundo, que foram encerradas com o passar do tempo, como em Cuba, China, Vietnã e Coreia do Norte.

Ex-guerrilheiros

Assim, pela primeira vez desde a revolução soviética de 1917, não existe hoje nenhuma república que se proclame “socialista” e promova levantes armados em outros países.

Os antigos guerrilheiros agora são presidentes ou vice-presidentes em várias partes da América Latina e aceitam a via constitucional para se chegar ao poder, a diplomacia para lidar com outras nações e o capitalismo para desenvolver suas economias.

Armas pelas urnas

Como o IRA (sigla de Irish Republican Army, Exército Republicano Irlandês), o ETA decidiu trocar as armas pelas urnas, devido a três razões: o contexto internacional, a repressão estatal e o seu aliado legal, o Bildu, partido que vem se convertendo na segunda força eleitoral basca e, para seguir avançando, necessita que o ETA siga o caminho do IRA norte-irlandês.

O ex-presidente espanhol José Maria Aznar, do Partido Popular (de tendência conservadora), acusou o governo socialista de José Luis Rodríguez Zapatero de “implorar” pelo anúncio do fim do grupo armado para poder reverter as tendências nas pesquisas eleitorais, que apontam a direita como favorita no pleito, principalmente devido à crise econômica que a Espanha atravessa.

Mas, para o presidente da Fundação Cidadania e Valores, o fim do ETA afetaria pouco as eleições. “A notícia é importante, mas não mudaria muito as coisas, não afetaria as eleições. O ETA não comete atentados há tempos e o terrorismo deixou de ser a primeira preocupação”.

Enquanto o governo britânico, que sabia como localizar e exterminar os comandantes do IRA, preferiu negociar com eles para cooptá-los ao sistema, colocando-os no novo governo de unidade nacional norte-irlandês, na Colômbia Santos deseja matar todos os comandantes das FARC, que, aliás, nomeou na última terça (15/11) um novo número 1: Rodrigo Londoño Echeverry, conhecido como “Timochenko” ou “Timoleón Jiménez”.

EUA

Na Líbia e na Colômbia, os EUA e seus aliados estavam dispostos a eliminar toda a cúpula dos Kadafi e das FARC, castigando-os por não aceitarem a reintegração, como derrotados, dentro de suas respectivas sociedades, as quais devem ser agora liberadas, tanto econômica como politicamente.

Diferentemente disso, no País Basco e na Irlanda do Norte os países da OTAN mostram disposição para cooptar os seus insurgentes, sob a condição de que deixem as armas e se submetam às instituições contra as quais, antes, guerreavam.

(*) Isaac Bigio vive em Londres, é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics e um dos analistas políticos latino-americanos mais publicados do mundo. Fale com ele pelo e-mail [email protected] , pelo Twitter @brpress e/ou no Facebook. Tradução: Angélica Campos/brpress.

Isaac Bigio

Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics . Tradução de Angélica Campos/brpress.

Comentários

Publicar Comentário