Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Juíza María Lourdes Afiuni: Chávez chamou-a de bandida e pediu sentença de 30 anos de prisão. Foto: freevenezuela.orgJuíza María Lourdes Afiuni: Chávez chamou-a de bandida e pediu sentença de 30 anos de prisão. Foto: freevenezuela.org

Legado autoritário de Chávez

(Nova York, brpress*) - Concentração de poder e desrespeito evidente pelos direitos humanos caracterizam governo do falecido presidente, segundo Human Rights Watch.

(Nova York, brpress*) – A presidência de Hugo Chávez (1999-2013) foi marcada pela concentração drástica de poder e desrespeito evidente por garantias de direitos humanos básicos, declarou a ONG Human Rights Watch, repercutindo a morte do líder.

   

Depois de aprovarem uma nova constituição com amplas proteções dos direitos humanos em 1999 – e sobreviverem a um breve golpe de estado em 2002 –, Chávez e seus seguidores agiram com o objetivo de concentrar o poder. Eles assumiram o controle do Supremo Tribunal e diminuíram a atuação da imprensa, defensores de direitos humanos e outros venezuelanos de exercerem direitos fundamentais.

    Durante seu segundo mandato, a concentração de poder e a eliminação das proteções dos direitos humanos deram ao governo liberdade para intimidar, censurar e julgar venezuelanos que fizessem críticas ao presidente ou atrapalhassem sua agenda política. Nos últimos anos, o presidente e seus seguidores usaram esses poderes em diversos casos de destaque, cujo impacto prejudicial foi sentido em muitos setores da sociedade venezuelana.

   Muitos venezuelanos continuam fazendo críticas ao governo. Entretanto, a possibilidade de represálias – na forma de ações arbitrárias ou abusivas do estado – forçou jornalistas e defensores de direitos humanos a avaliarem as consequências da disseminação de informações e opiniões críticas ao governo. Também afetou a capacidade de juízes de julgarem casos politicamente sensíveis.

Ataque à independência judicial

    Em 2004, Chávez e seus seguidores na Assembleia Nacional assumiram o controle político do Supremo Tribunal da Venezuela, adicionando 12 assentos a um tribunal que originalmente tinha 20 e dando-os a partidários do governo.

    O Supremo Tribunal então parou de supervisionar o poder presidencial. Seus juízes rejeitaram abertamente o princípio da separação de poderes e declararam seu compromisso com a agenda política de Chávez. Esse compromisso tem se refletido nas decisões do tribunal, que validam repetidamente o descaso do governo com relação aos direitos humanos.

    Existem juízes de tribunais inferiores que têm enfrentado uma intensa pressão para não tomarem decisões que poderiam prejudicar o governo. Em 2009, Chávez pediu publicamente uma pena de 30 anos para uma juíza que concedeu liberdade condicional a um famoso crítico do governo que havia passado quase três anos na prisão aguardando julgamento.

    A juíza María Lourdes Afiuni foi presa e passou mais de um ano detida à espera de julgamento, em condições deploráveis. Ela permanece em prisão domiciliar.

    
Ataque à liberdade de imprensa

    Durante o mandato de Chávez, o governo expandiu drasticamente sua capacidade de controlar o conteúdo das transmissões e da cobertura de notícias no país. Ele ampliou e reforçou as multas por discursos que “ofendam” funcionários do governo, proibindo a transmissão de mensagens que “gerem ansiedade no público” e permitindo a suspensão arbitrária de canais de TV, emissoras de rádio e websites.

   

Para justificar suas políticas de mídia, o governo Chávez disse que eram necessárias para “democratizar” a televisão e o rádio no país. No entanto, em vez de promover o pluralismo, o governo abusou de sua autoridade regulamentar para intimidar e censurar seus críticos. Aumentou de um para seis o número de canais de TV controlados pelo governo, além de adotar medidas agressivas para reduzir a disponibilidade de meios de comunicação que se dedicam a uma programação crítica.

   

Em resposta à reportagens negativas, Chávez ameaçou repetidamente impedir a renovação de licenças para emissoras privadas de rádio. Em 2007 – em um ato de discriminação política evidente –, o governo impediu que a RCTV (o canal de televisão privado mais antigo do país) renovasse sua licença e apreendeu suas antenas de transmissão. Três anos depois, também retirou a RCTV da TV a cabo, forçando os provedores desse serviço a parar de transmitir seus programas.

   

Com a remoção da RCTV, a Globovisión se tornou o único canal de grande porte que continua fazendo críticas ao governo. O governo Chávez iniciou investigações administrativas sobre a Globovisión, e mantiveram a estação em risco perpétuo de suspensão ou encerramento. Além disso, fez denúncias criminais contra o presidente da emissora, um dos principais proprietários e um comentarista depois que estes fizeram declarações públicas criticando o governo.

   

A sanção e a censura da mídia privada durante o governo Chávez tiveram um forte impacto nas emissoras e nos jornalistas. Embora fortes críticas ao governo ainda sejam comuns na mídia impressa, o medo de sofrer represálias transformou a autocensura em um problema grave na Globovisión e em alguns outros meios de comunicação.

Rejeição do escrutínio dos direitos humanos

    Além de neutralizar o papel do judiciário como responsável pelos direitos, o governo Chávez repudiou o sistema interamericano de direitos humanos, deixando de seguir as decisões vinculativas da Corte Interamericana de Direitos Humanos e impedindo a Comissão Interamericana de Direitos Humanos de realizar visitas in loco no país.

    Em setembro de 2012, a Venezuela anunciou sua saída da Convenção Americana de Direitos Humanos. Essa decisão impede os venezuelanos de recorreram aquele que, há anos, tem sido o mecanismo externo mais importante – no paíse e nos países da região – para obter reparação por abusos quando esta não é fornecida pelos tribunais nacionais.

   

O governo Chávez também tentou impedir organizações internacionais de monitorarem as práticas de direitos humanos do país. Em 2008, o presidente fez com que representantes da Human Rights Watch fossem detidos à força e expulsos sumariamente do país após a divulgação de um relatório que documentava a violação das normas de direitos humanos pelo governo.

    Após a expulsão, Nicolás Maduro, então ministro das relações exteriores e atual sucessor de Chávez, anunciou que “todo estrangeiro que vier para fazer críticas ao nosso país será expulso imediatamente”.

    Durante o mandato de Chávez, o governo também tentou desacreditar defensores de direitos humanos, acusando-os de receber apoio do governo dos Estados Unidos para prejudicar a democracia na Venezuela.

    Embora organizações não governamentais locais tenham recebido verbas americanas e europeias – uma prática comum na América Latina, onde o financiamento privado é escasso –, não existem evidências críveis de que a independência e a integridade do trabalho de defensores tenham sido comprometidas pelo apoio internacional.

    No entanto, em 2010, o Supremo Tribunal decidiu que indivíduos ou organizações que receberem verbas estrangeiras podem ser julgados por “traição”.

    A Assembleia Nacional aprovou uma legislação que proíbe organizações que “defendem os direitos políticos” ou “monitoram o desempenho de órgãos públicos” de receberem verbas internacionais. Também impôs multas pesadas a organizações que “convidarem” à Venezuela estrangeiros que expressem opiniões que “ofendam” instituições do governo.

Apoio a governos abusivos

    Chávez também rejeitou esforços internacionais destinados a promover os direitos humanos em outros países. Nos últimos anos, a Venezuela votou de modo consistente contra resoluções da Assembleia Geral da ONU que condenavam práticas abusivas na Coreia do Norte, Birmânia, Irã e Síria.

    Além disso, Chávez declarou seu apoio a Bashar al-Assad, da Síria, Muammar Gaddafi, da Líbia, e Mahmoud Ahmadinejad, do Irã, conferindo a cada um desses líderes a Ordem do Liberador, que é a maior honraria oficial da Venezuela.

    Durante o governo Chávez, o principal aliado da Venezuela foi Cuba – o único país da América Latina que reprime de modo sistemático praticamente todas as formas de dissidência política. Chávez identificou Fidel Castro (que comandou o governo repressivo de Cuba até sua saúde deteriorar em 2006) como seu modelo e mentor.

Os casos citadis neste texto foram selecionados do relatório Tightening the Grip: Concentration and Abuse of Power in Chávez’s Venezuela [Apertando o cerco: Concentração e abuso de poder na Venezuela de Chávez].
 
Para mais relatórios da Human Rights Watch sobre a Venezuela, acesse aqui.

(*) Com informações da Human Rights Watch.