Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

FOTO - Elvis PresleyFOTO – Elvis Presley

Encaixotando Elvis

(brpress) - Paramount lança box de DVDs com longas protagonizados por Elvis Presley em todas as suas fases para comemorar seu 75º aniversário. Por Eliane Maciel.

(brpress) – A Paramount, a fim de homenagear o que seria o 75º aniversário de Elvis Presley, lançou em uma caixa de DVDs contendo quatro filmes do maior astro da década de 1960. O box contém os longas Garotas! Garotas! Garotas!, Meu Tesouro é Você, O Seresteiro de Acapulco e No Paraíso do Havaí.

Os dois primeiros são os mais conhecidos e os de maior qualidade. O terceiro já mostra uma decaída, tanto no trabalho quanto na aparência de Elvis. O último, somente para registrar, encerra esta fase de decadência. Mas ainda vale a pena. Principalmente para quem é fã.

Ritmo frenético e queda

Durante seus curtos 42 anos de vida, Presley participou de 31 longas – isso se não incluirmos os documentários musicais –, com uma média de três filmes por ano, durante sua carreira. Tudo isso fora os outros compromissos da agenda do ator/cantor.

O ponto alto dessa maratona era que os estúdios se aproveitavam da imagem de galã de Presley para engordar suas contas bancárias. O rei do rock era, na época, uma espécie de Robert Pattinson misturado com Zac Efron, mas em proporções muito maiores – sem contar que contagiava loucamente não somente as mocinhas, mas mulheres de todas as idades, culturas e níveis sociais possíveis. Um furacão de sensualidade e libido personificado.

Rebolando

Especialistas afirmam que este montante de trabalho, em ritmo tão absurdamente acelerado, fazia com que a qualidade das produções e, consequentemente, a performance de Elvis caíssem. A grande maioria dos 31 filmes que Elvis realizou é considerada de baixo escalão – para não dizer desastres cinematográficos.

É relevante lembrar que as trilhas sonoras dos filmes de Elvis contavam sempre com uma longa lista de canções de sua autoria – mais uma estratégia de marketing para colaborar na venda dos álbuns lançados pelo cantor. E mesmo no período póstumo, parece que a distribuidora ainda mantém a mesma meta de sempre quando se trata do sobrenome Presley.

(Eliane Maciel/Especial para brpress)