Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Destroços do avião ao alcance

(Paris, brpress) - Fotos mostram que pedaços do aparelho estão próximos, reforçando hipótese de que tocou o mar em posição horizontal de vôo. Por Rui Martins.

(Paris, brpress) – Dentro de três semanas, um mês no máximo, serão recuperados e levados para análise, em Toulouse, na França, os pedaços do Airbus A330, da Air France – que caiu no Oceano Atlântico durante o voo AF 447, entre Rio e Paris, matando 228 pessoas – encontrados a uma profundidade de quase 4 mil metros, ao largo da costa brasileira.

O acidente com o aparelho ocorreu no dia 31 de maio de 2009 e, até o último domingo (03/04), só se tinham visto alguns pedaços do avião flutuando no oceano, alguns dias depois da queda. A descoberta dos destroços causou entusiasmo nos investigadores do Escritório de Investigações e Análises (BEA) da Aviação Civil da França. Uma fonte não identificada disse ao Blog de Paris, de Veja: “As caixas pretas vão falar”.

No encontro com a imprensa, na última segunda-feira (04/04), os técnicos da BEA que localizaram os destroços do avião, mostraram fotos tiradas pelos submarinos-robôs Remus, equipados com sonhares e manipulados por especialistas americanos da Woods Hole Oceanographic Institution.

De acordo com essas fotos, os pedaços do aparelho estão próximos, reforçando a hipótese de que avião da Air France tocou o mar em posição horizontal de voo. Podem ser vistos os motores e os corpos dos passageiros que ainda estão dentro da fuselagem.

Dúvida

A incógnita é se as duas caixas pretas serão ainda utilizáveis, depois de dois anos no fundo do mar. Da leitura dessas duas caixas depende a conclusão sobre as causas da queda do aparelho.

O BEA informou, no encontro com a imprensa, perto de Paris, pormenores da  quarta fase de operações de buscas.  Foi encontrada a parte dianteira do avião onde estão os motores, a fuselagem e as asas. A direção do BEA explicou que a descoberta foi feita em buscas por técnicos num navio com equipamento especial de sondagem submarina, o Alucia.

Porém, o navio não dispunha de instrumentos para içar essas partes do aparelho – o que exigirá um outro tipo de embarcação. Em todo caso, pelas fotos feitas percebe-se a existência de corpos dentro dessa parte do aparelho.

Com essa descoberta espera-se ter acesso às duas caixas pretas, onde ficam registradas as últimas conversas do piloto e co-piloto, bem como das últimas manobras do aparelho – se é que estarão ainda em condições de serem interpretadas.

Vale lembrar que as caixas pretas do Airbus A330 foram construídas para resistir um choque de 3.400 G, a temperatura de 1.100 graus centígrados durante uma hora e uma pressão submarina de 6 mil metros de profundidade – os destroços foram encontrados a 3.900 mil metros. Mais: se as fotos mostram quase intactas partes do avião muito menos resistentes que as caixas pretas, por que elas estariam danificadas?

(Rui Martins/Especial para brpress, com informações do Blog de Paris, de Veja.com)