Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Nixiwaka Yawanawá protesta contra PEC 215 em Londres. Foto:  DivulgaçãoNixiwaka Yawanawá protesta contra PEC 215 em Londres. Foto: Divulgação

Survival apoia protestos indígenas

(Londres, brpress) - Índio amazonense Nixiwaka Yawanawá foi centro das atenções numa manifestacão organizada pela ONG.

(Londres, brpress) – Numa semana em que cerca de 1,5 mil índios brasileiros de 305 etnias tomaram conta da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em protesto contra a Proposta de Emenda à Constituição  (PEC), que submete ao Congresso a decisão sobre demarcação de terras indígenas, em Londres, o índio Nixiwaka Yawanawá, da Amazônia, foi o centro das atenções numa manifestacão organizada pela ONG Survival International .

    O protesto ocorreu em frente à Embaixada Brasileira, na capital britânica, em 02/10 – mesmo dia em que houve confusão em Brasília. com os índios dispersados com gás de pimenta pela polícia. Nixiwaka Yawanawá afirmou ter ido a Londres para “chamar a atenção do mundo sobre o quão violados estão sendo os direitos indígenas no Brasil”.

PEC 215

    O principal alvo de protesto é a PEC 215. Defendida por parlamentares ruralistas, a PEC alteraria o processo de demarcação de terras indígenas, que hoje é uma atribuição do Poder Executivo, conduzida pela Funai (Fundação Nacional do Índio) e chancelada pelo Ministério da Justiça e pela Presidência da República. Se a PEC for aprovada, as demarcações ficarão a cargo do Congresso.    

    “Estas novas leis tiram dos índios o poder de decidir sobre nosso próprio  território”, diz Yawanawá.  A PEC poderá designar terras indígenas para abrigar bases militares, mineradoras, madeireiras e outros projetos industriais. A Survival Internacional lembra que projetos como este seriam desastrosos para etnias como os Guarani, que já sofrem com a a violência extrema de fazendeiros e jagunços. Isso sem falar na etnia Awá, considerada pela ONG a tribo mais ameaçada do planeta, por invasões em larga escala e destruição de suas terras.

‘Sentença de morte’

    O diretor do Survival Internetional, Stephen Corry, classificou a PEC 215 como “uma sentença de morte para os primeiros habitantes do Brasil – tribos que não sobreviverão se suas terras forem roubadas”. Ele continua: “Enquanto o Brasil se prepara para receber fãs de futebol, de todo o mundo, estamos divulgando o que o país está fazendo com seus índios para o maior número de pessoas possível”.