Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Celso LaferCelso Lafer

Fapesp divulga vacina brasieira contra HIV

(Londres, brpress) - Este é um dos detaques da Fapesp Week, que acontece na Royal Society. de 25 a 27/09. Por Patrícia Dantas.

(Londres, brpress) – Após o simpósio em Tóquio, no início do ano, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) se prepara para embarcar para Londres, onde organiza, de 25 a 27 de setembro, a Fapesp Week, na Royal Society.

    O evento faz parte da ação da fundação para promover a ciência brasileira no mundo, mostrando casos de estudos em diversos campos de conhecimento, entre eles biodiversidade, mudanças climáticas e a vaciba brasileira contra a Aids, que está sendo desenvolvida e promete ser uma das “vedetes” da Fapesp Week.

Made in Brazil

    A vacina contra o vírus HIV, denominada HIVBr18, foi desenvolvida e patenteada pelos pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Edecio Cunha Neto, Jorge Kalil e Simone Fonseca, começará a ser testada em macacos a partir da primeira semana de setembro, por aproximadamente 24 meses.

    “A Fapesp Week irá discutir cinco temas principais: biodiversidade, mudanças climáticas, biocombustível, nanotecnologia e ciência da saúde”, diz Richard House, assessor do evento, durante o briefing organizado na quarta-feira (22/08), na capital britânica, com a presenca da brpress, A agëncia irá cobrir o evento.

    “Será uma ótima oportunidade para mostrar casos de estudo em torno deste cinco tópicos, com palestrantes brasileiros, britânicos e europeus”, continua House.
   
    Na ocasião estarão presentes autoridades brasileiras, tais como Celso Lafer, presidente da Fapesp, e Carlos Brito Cruz, diretor-científico da instituição, além de Martin Davidson, chefe executivo do British Council, e representantes de Universidades inglesas que têm cooperado na investigação da composição atmosférica da Amazônia e impactos no clima.

(Patrícia Dantas/Especial para brpress)

Comentários

Publicar Comentário