Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Lou é cala boca ao mi-mi-mi de Oprah X Deneuve

(brpress) - Filme sobre vida da escritora Lou Andreas-Salomé mostra como uma mulher se libertou das imposições sexuais no século 19. Por Juliana Resende.

(brpress) – Não há melhor semana que esta, pós-Globo de Ouro da campanha ’sUp,   para a estreia de um filme como Lou (Lou Andreas-Salomé, 2016). A vida desta mulher independente, inteligente e à frente de seu tempo tem tudo para dirimir todo o mi-mi-mi que se instalou após os discursos das atrizes e celebridades americanas na premiação sob efeito das acusações de abuso sexual de mulheres sistemático em Hollywood e da resposta antipuritana das francesas.

Com a envergadura intelectual e as atitudes de Lou Andreas-Salomé (1861-1937), a dicotomia Oprah-Deneuve soa como papo do século 19 – quando Lou nasceu e se tornou uma igual na patota de homens como Nietzsche e  Freud. O primeiro se apaixonou por ela e o segundo tornou-se seu amigo e analista, abrindo-lhe as portas para o complexo (e machista) mundo da psicanálise e de seus próprios demônios. 

Sim, Salomé conseguiu conviver com estes e outros cavalheiros brilhantes, como o filósofo Paul Rée e, também à frente de seu tempo, sem se comprometer sexualmente com eles. Preferia a irmandade intelectual à relação de submissão a que o namoro e casamento fatalmente conduziam. Chocou meio mundo, a começar pelas próprias mulheres, e desafiou as mentes mais brilhantes a acompanhar sua libertação das regras e amarras que tolhiam as mulheres. O filme de Cordula Kablitz-Post mostra isso muito bem.  

A atriz Katharina Lorenz encarna bem a escritora em sua juventude madura, quando viveu com Nietzsche e Rée – na mesma casa, em Berlim, enquanto se ocupava de perseguir a perfeição intelectual e   nunca de apaixonar (no sentido de entrega e dependência), arrasando corações de filósofos e intelectuais com seu jeito audacioso e dona de si. A Lou do filme nada tem de pernóstica – ao contrário, é bem divertida. 

Sua resistência ao amor só baixa a guarda com o poeta Rainer Maria Rilke que, por ser mais jovem, inseguro e menos vaidoso que os  outros notáveis, permitia que Lou  vivesse sua vida aventureira, mesclando  intimidade e o desejo de viver sua liberdade – mesmo após o casamento de fachada com o acadêmico Friedrich Carl Andreas. 

Assim foi até seus últimos anos (vivida pela ótima Nicole Heesters), sem perder o charme e o poder de enfeitiçar os homens pelo que tinha na cabeça e não no meio das pernas, colocando-os sempre em seu devido lugar e ditando as regras: o filólogo Ernst Pfeiffer, que auxiliou Lou nos registros de suas memórias, também ficou caidinho por ela. 

A superioridade intelectual de Lou era sua arma mais poderosa e fatal contra potenciais – e reais – abusadores. Talvez seja exigir muito das mulheres (e homens) do século 19, 20 ou 21, numa sociedade que se impõe pelo sexo a qualquer custo. Mas o exemplo dessa mulher – que o mundo condenou à sombra dos nomes masculinos com quem ela conviveu, desafiou, inspirou e questionou – não deve ser esquecido e a força da inteligência jamais menosprezada. 

(Juliana Resende/brpress)

Estreia em BH, Brasília, Porto Alegre, Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo.

Assista ao trailer de Lou: 

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.