Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Terezinha GuilherminaTerezinha Guilhermina

Paratodos dá injeção de ânimo

(São Paulo, brpress) - Mostrando luta dos atletas paralímpicos brasileiros e performances surpreendentes, filme é metáfora do Brasil pré-Olimpíada. Por Juliana Resende. 

(São Paulo, brpress) – Paratodos. O título do documentário sobre o esporte paralímpico no Brasil, que estreia esta semana em circuito nacional, é também um clamor pela inclusão no país. “Sou fã de esporte e fiquei impressionado como não conhecia a performance e o universo destes atletas até mergulhar na realização deste filme”, diz o diretor Marcelo Mesquita. “E sabemos que a inclusão vai muito além da rampinha – é uma questão social”, complementa. Mostrando a trajetória dos atletas deficientes brasileiros desde seu surpreendente resultado nas Olimpíadas de Londres, Paratodos é a injeção de ânimo que faltava para um país cansado: o Brasil. 

A ideia era mesmo a de que o filme transcendesse a questão esportiva – e pudesse ser um balde de motivação para cidadãos e políticos repensarem as prioridades do Brasil, nos quesitos básicos como educação, saúde e acesso à cultura. O fato é que Paratodos tem um inegável poder mobilizador: de mostrar que vencer é possível mesmo diante de tantas adversidades. As vidas e desafios enfrentados pelos atletas são uma clara metáfora dos problemas e anseios do Brasil – que parecia sem apetite, paralisado e sem orgulho de sediar as Olimpíadas do Rio, até os Jogos acabarem sendo um sucesso.

Apesar do alto astral que a Rio 2016 acabou trazendo, há, na realidade, muitos percalços. A começar pelo próprio estado do Rio de Janeiro – falido. Apesar de continuar linda, o fato é que a Cidade Maravilhosa segue abandonada à própria sorte – desmorona ciclovia, bando resgata traficante em hospital público no centro da cidade e mata pacientes e a Baía de Guanabara chafurda em lixo. Mas como um país que está em 72o. lugar no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) pode ser a terceira potência em esporte paralímpico? Paratodos não tem a resposta, mas ensina a fórmula: determinação e trabalho duro, focado. 

Meia-entrada para todos

“Se a gente quer falar em inclusão, Paratodos será distribuído em duas mil escolas públicas – num projeto inédito envolvendo um filme no Brasil”, anuncia Marcelo Mesquita.  O filme tem pré-estreia nesta terça (21/06), em cinemas de todo o Brasil, com meia-entrada. Na quinta (23/06), Paratodos tem estreia nacional. “Este é um Brasil que dá certo!”, empolga-se Marcelo. “Nós não escolhemos as histórias que mostramos – foram elas que acabaram nos escolhendo. Independente de vitória ou derrota, o que vale é o percurso, competir e ganhar sempre, seja no pódio, seja no aprendizado”, diz.

Nos cinco primeiros minutos de filme, o público já começa a vibrar com a vitória do velocista Alan Fonteles, que “surgido do nada”, conforme gritava, histérico, o locutor dos Jogos Paralímpicos de Londres,  ultrapassou Oscar Pistorius, até então o primeiro do mundo e o único atleta da história a competir entre os convencionais mesmo sendo deficiente. Alan bateu o recorde dos 100m e 200m,  conquistando o ouro nos 200m rasos. Virou capa de jornais, fechou contratos de patrocínio e se tornou um dos símbolos do esporte. 

Paratodos é uma linda e bem fotografada produção, rodada em seis países ao longo de quatro anos, com a assinatura de uma dupla que ainda vai dar muito o que falar e ver no cinema nacional (Marcelo Mesquita e o produtor Peppe Siffredi) e distribuição sempre inovadora da O2Play (da produtora O2 Filmes, de Fernando Meirelles). A magia é que o público esquece que está diante de atletas deficientes. No universo paralímpico, superar-se não é uma opção ou gesto de heroísmo, é somente o ponto de partida.

Paratodos pode ser visto no Netflix, no iTunes, Vimeo on Demand and Google Play. E tem um aplicativo para celulares IOS e Android para acessibilidade total do filme, em libras, com audiodescrição, etc. Bastar baixar – é grátis.

(Juliana Resende/brpress)

Conheça aqui quem são os atletas de Paratodos e que prometem brilhar na Rio 2016.

Veja vídeo com o diretor Marcelo Mesquista falando do filme no Instagram.

Assista ao trailer de Paratodos:

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.