Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Uma das images da nostra no MIS-SP: Frida Kahlo pinta seu pai. Foto: Gisèle Freund/DivulgaçãoUma das images da nostra no MIS-SP: Frida Kahlo pinta seu pai. Foto: Gisèle Freund/Divulgação

Frida Kahlo: as tais fotografias

(São Paulo, brpress) - Universo da artista mexicana é revivido por meio de imagens de sua coleção em duas mostras: Frida Kahlo - Suas Fotos, no MIS-SP, e Frida Kahlo - Suas Fotos / Olhares sobre o México, no Espaco Cultural Porto Seguro. Juliana Resende conversou com diretora do Museu Frida Kahlo.

(São Paulo, brpress) – Depois das pinturas no Instituto Tomie Ohtake, é a vez das fotografias.  O universo da artista mexicana é revivido por meio de imagens de sua coleção em duas mostras abrindo em São Paulo, neste sábado (03/09): Frida Kahlo – Suas Fotos, no Museu da Imagem e do Som – MIS-SP, e Frida Kahlo – Suas Fotos / Olhares sobre o México, no Espaco Cultural Porto Seguro. Em ambas, a mulher por trás e à frente da arte se revelam.

No MIS, entramos numa espécie de “câmara Kahlo” – um lugar mágico onde luz, sombra e cores se misturam num cenário que lembra a casa de uma bruxa – eloquente e triste ao mesmo tempo. A cenografia, aliás, enfeitiça mais o visitante do que as fotos em si. São 241 imagens selecionadas de uma coleção de 6.500 fotos que só vieram a ser conhecidas publicamente em 2007, e são administradas pelo Museu Frida Kahlo, cuja diretora Hilda Trujilo veio ao Brasil, e conversou com jornalistas.

“As fotos são feitas pela própria Frida, por seu marido, o também artista Diego Rivera, seu pai – o alemão Carl Wilhelm Kahlo que foi quem mais alimentou a paixão de Frida pelas imagens, pois ele era fotógrafo e também pintava –, além de outros artistas que influenciaram Frida, como Man Ray e Pierre Verger”, explica Trujilo. “O que procuramos mostrar com esta curadoria é a afirmação do nacionalismo e da identidade mexicana, indígena, no trabalho de Frida e sua visão de mundo”. 

Livre, nem tão leve e solta

Uma mulher forte e excêntrica sim, mas alguém preocupado com sua liberdade acima de tudo. “Frida era livre, inclusive sexualmente, para os padrões da época”, afirma Trujilo. “Amava Diego mas tinha vários amantes, homens e mulheres”. Esse espírito libertário e desafiador de Frida Kahlo explica, na opinião de Trujilo, a influência e fascinação exercidas por sua obra e sua personalidade em artistas contemporâneos. 

A diretora do Museu Frida Kahlo cita a música Viva La Vida, faixa-título de álbum do grupo inglês Coldplay, emprestada de um dos quadros da pintora mexicana. A banda americana Red Hot Chilli Peppers gravou uma música escrita por Anthony Kiedis cuja letra é dedicada à Frida. Madonna é outra grande fã da pintora, sempre enaltecendo a originalidade, a ousadia e o lado feminista da mexicana. 

Na moda, Kahlo inspirou coleções de Jean Paul Gaultier, Dolce & Gabana e até Christian Lacroix. O estilo “black magic woman” e folk de Frida ganhou uma capa da revista Vogue em 2012 – 60 anos após sua morte, aos 47 anos, de overdose de remédios. “Espero alegre minha partida. E espero não retornar nunca mais”, ela escreveu. Entre os patrocinadores destas mostras no Brasil, chama a atenção a rede de fast fashion Forever 21.

Cicatrizes

A mostra do MIS é divida em Origens; Casa Azul; Política, Revoluções e Diego – ambos eram do Partido Comunista, do qual foram expulsos com a ascensão de Stálin –; Amores (Frida foi amante de Trotsky); Fotografia; e Corpo Acidentado – Frida teve poliomielite quando criança, que deixou algumas sequelas como uma perna mais curta que a outra, além de ter sofrido um grave acidente aos 18 anos, cujas cicatrizes (físicas e emocionais) nunca fecharam. “Ela gostava de celebrar a vida por meio da arte, de festas e de sua personalidade e produção artística intensa. Preferia deixar seu sofrimento transparecer em suas obras – nunca entre amigos, pois tinha medo de perdê-los”, diz Trujilo.  

O que se vê em Frida – Suas Fotos é uma artista digladiando com padrões da sociedade conservadora mexicana e o establishment, além de sua própria fragilidade e medos. Uma mulher culta e viajada, mas que teve sua saúde debilitada e a Segunda Guerra Mundial como reais limitadores da expansão de sua arte, que só foi se internacionalizar muitos anos depois. “Mas o ser humano Frida Kahlo ainda é bastante desconhecido, misterioso. É por isso que, a cada leitura que fazemos destas fotos, descobrimos mais um pouco dos lados obscuros de Frida. Essa é a magia das fotos”, finaliza Hilda Trujilo.

Ambas as exposições ficam em cartaz até 20/11/16 e têm entrada franca. Consulte outras informações nos sites do MIS-SP e do Espaço Cultural Porto  Seguro. 

(Juliana Resende/brpress)

Assista ao vídeo sobre a exposição Frida Kahlo – Sua Fotos, no MIS-SP:

Veja galeria de fotos no Facebook e um trecho da entrevista com Hilda Trujilo, do Museu Frida Kahlo, no Instagram.

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.