Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Charlotte terá tudo para levar todo o reino à loucura – sem nunca reinar efetivamente. Foto: telegraphCharlotte terá tudo para levar todo o reino à loucura – sem nunca reinar efetivamente. Foto: telegraph

Poderosa Charlotte

(Londres, brpress) - Os ingleses já sacaram tudo: a princesa poderá se esbaldar sem se prender ao protocolo real, pois será muito difícil ela ser Rainha. Por Juliana Resende.

(Londres, brpress) – Um salva de balas (e rolhas de champanhe) soou na manhã de sábado, 02/05/15, como que anunciando uma nova era na mornarquia britânica: aquela em que uma menina não será mais preterida por um menino – mesmo nascido depois dela – na hierarquia real. É a nova lei de sucessão, promulgada em março último(dizem as más línguas que Kate e Will já sabiam o sexo do bebê). Mas isso pouco importa. O fato é que a serelepe princesinha passou a perna até no seu tio Harry – também segundo bebê real na linha sucessória. Poderosa Charlotte.

    Será? Bem, enquanto os republicanos franceses seguem enfeitiçados por mais um bebê (britânico) real (sim, eles chegaram ao cúmulo de invejar a Inglaterra não só pelo fato de ser um país que realmente produz, consome e exporta música pop, mas porque possui uma família real!), os ingleses, com seu humor ácido sem não-me-toques (especialmente ‘royal’ não-me-toques) e senso de praticidade, já sacaram tudo: Charlotte poderá se esbaldar sem se prender ao protocolo real, pois será muito difícil ela ser Rainha. Praticamente impossível.

    Para que Charlotte Elizabeth Diana ascenda ao trono, será preciso a bisa Betinha bater as botas, vovô Charlie, coroado na sequência, vestir o paletó de madeira, papai Will passar desta para melhor e ainda brother George reinar – e morrer. Se o baladar dos sinos, o rufar dos tambores e o espocar dos tiros acabaram de vez com as especulações nas casas de apostas (leia-se cada esquina de Londres), acerca do nome que seria escolhido para a mais nova integrante da família real britânica, cabem agora apostas (bem mais divertidas) para especular quão desprovida de rédeas reais a Princesa de Cambridge poderá ser.

Curtindo a vida adoidado

    A julgar por seu tio Harry, sua vida será bem mais agitada e menos comportada que a do bom moço William. Afinal, todo segundo bebê real vive bem mais intensa e desecanadamente, ao ponto de parecer não dar a mínima para a opinião pública. “It’s a girl!”, anunciava o letreiro eletrônico no alto da BT Tower, como que numa rsssalva. E a pergunta que fica é: até que ponto uma garota pode se esbaldar tanto quanto um garoto? O próprio Charles aprontou das suas quando assumiu, com traços de bizarrice, seu affair com Camilla.

    Ladies and gentlemen façam suas apostas, Como será a Charlotte adolescente? Uma Spice Girl? Uma Amy Winehouse? Uma Bond girl? Twiggy? Cara Delevigne? Lara Croft? Uma princesa linda, rica e excêntrica com escandalosos affairs com playboys, plebeus, cafajestes em geral e/ou atores + popstars mulherengos (pense em Jude Law, Russell Brand, Pete Doherty!). Charlotte terá tudo para levar todo o reino à loucura – sem nunca reinar efetivamente.

The Great Kate Wait

    Sua gestação foi um evento estendido durante longos nove meses de pura ansiedade coletiva, batizada de Great Kate Wait. A escolha do nome – anunciado com pompa e circusntância, do Hyde Park à Torre de Londres –, só multiplicou o sentimento de frenesi do nascimento da primeira princesa britânica em 25 anos. A mídia tradicional entrou em catarse – afinal, não vendiam tantos exemplares das empoiradas cópias em papel desde o nascimento do príncipe George, o primogênito de William e Kate, com quase dois anos. Redes sociais bateram recordes de menções com a hashtag  – foram cerca de 4500 twittadas por minuto, 15 minutos depois que a princesa veio ao mundo.

    Centenas de ’Royal hardcore fãs’ e a turistada bateram continência e não arredaram o pé do portão do Palácio de Buckingham, muito menos da entrada do St. Mary Hospital, em Paddington. O sentimento geral foi de grande alívio após Will e Kate mostrarem a menina ao público.  Restava o nome. Na falta de acertar um, o povo teve de engolir três dos mais cotados de uma vez só. Alice, que era um dos favoritos nas apostas, não teve chance. Mary, uma possível homenagen à Princesa  Mary Adelaide de Cambridge, nascida há 182 anos e conhecida como “Fat Mary”, também foi (sabiamente) descartada. Vitória? Essa é um outro capítulo – aliás, muito bem contado na biografia Rainha Vitória, de Lytton Strachey.

    A história de Charlotte está para ser contada, sua sorte está lançada. Que a princesa quebre o protocolo e viva uma vida que valha a pena ser vivida – e, principalmente, biografada.

(Juliana Resende/brpress)

FYI – London Calling começou como um boletim diário durante as Olimpíadas de Londres, para a BandNews e Bradesco FM. Virou coluna da jornalista Juliana Resende, editora executiva da brpress, com um pé lá e outro cá.

Ouça aqui os boletins London Calling, especiais para BandNewsFM, produzidos durante as Olipíadas de Londres.

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.