Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

As gêmeas do duo Ibeyi: pai era integrante da Buena Vista Social Club. Foto: DivulgaçãoAs gêmeas do duo Ibeyi: pai era integrante da Buena Vista Social Club. Foto: Divulgação

Duplas femininas viram tendência

(brpress) - As franco-cubanas Ibeyi e brasileiras Anavitória fazem sucesso com som suave e shows em outubro em São Paulo e Rio. 

(São Paulo, brpress) – Duplas estão se tornando uma tendência na música pop. Menina com menina, menina com menino, não importa. Dois exemplos bem sucedidos dessa febre dos duos se apresentam em São Paulo e no Rio em outubro: as brasileiras Anavitória e as francesas Ibeyi. Em comum, ambas as duplas têm uma música suave e moderna.

As gêmeas da dupla Ibeyi, Lisa-Kaindé (piano) e Naomi Díaz (percussão e MPC), de 20 anos, tocam nesta quinta-feira (13/10), às 22h, na Audio, numa noite especial dedicada às jovens cantoras internacionais emergentes, com apresentação também da americana Julia Holter. O Ibeyi – que se apresenta também no sábado (15/10), no Circo Voador, no Rio –, vem com seu primeiro álbum homônimo, de 2015, na bagagem, misturando referências da cultura iorubá com jazz.

Buena Vista

Elas são baseadas em Cuba e cantam em língua inglesa e em iorubá. A referência africana veio do pai, o famoso percussionista do projeto Buena Vista Social Club, Miguel “Angá” Díaz, descendente nigeriano, praticante da cultura e religião afro-cubana Santeria, falecido em 2006, aos 45 anos. Esta mistura de estilos é chamada pela dupla como “negro spirituals”, e é através desse encontro de culturas que o Ibeyi possibilita o contato com as próprias raízes.

Em disco homônimo, lançado em setembro de 2015, as gêmeas fazem uma exaltação aos orixás, cultuados na Santeria, e também à memória do pai. A sonoridade passeia entre um pop, jazz e soul, com fortes marcações do ritmo caribenho e africano, inseridos namodernidade eletrônica e na música indie francesa.

Made in Tocantins

Anavitória, de Araguaína, Tocantins, está completamente estourada e é um fenômeno do YouTube – assim como outras novidades da MPoB, como Liniker. Ana Caetano, de 21 anos, criou um canal de composições no YouTube, e, em 2013, sua amiga Vitória Falcão, de 20 anos, “colou” nela. Cantavam juntas músicas próprias e de outros autores, como Um Dia Após o Outro, de Tiago Iorc – o primeiro sucesso.

Contratada pela gravadora Universal, Anavitória é sucesso de público, com lotação esgotada por onde passa. No Rio de Janeiro, para onde retornam este mês, foram três noites com casa cheia. Agora Eu Quero Ir, single do primeiro disco, atingiu mais de 1 milhão de views no YouTube em duas semanas.    Quatro músicas das moças figuram no Top 200 do Spotify e duas tocam nas rádios do país. Dia 30/10 (domingo), elas fazem show no Cine Joia.

Assista ao vídeo do single Agora Eu Quero Ir, de Anavitória: