Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Karyme: shows em Luanda com astro da música angolana. Foto: Márcio Freitas/DivulgaçãoKaryme: shows em Luanda com astro da música angolana. Foto: Márcio Freitas/Divulgação

Karyme cai no semba em Angola

(brpress) - Cantora faz temporada em Luanda, com participação de Carlitos Vieira Dias, célebre renovador do gênero considerado pai do samba.

(brpress) – Pode ser coincidência. Ou não. Mas cantar em Angola parece trazer bons fluidos a cantoras que têm samba no pé – e na alma. Foi assim com Clara Nunes (1942-1983), que estourou depois de uma temporada em Luanda, em 1970. E é na capital angolana que Karyme Hass aterrissa, buscando raízes e inspiração.

    Karyme se apresenta em Luanda, nos dias 19 e 20/04, na famosa casa Bico do Sapato, com participação especial de Carlitos Vieira Dias, um dos artistas mais conceituados de Angola. Filho de Liceu Vieira Dias, ícone da música popular angolana – o semba (considerado pai do samba) –, Carlitos é responsável pela renovação estética da guitarra angolana.

Muxima

    Karyme não é marinheira de primera  viagem em música angolana. Gravou, com Carlinhos 7 Cordas – produtor do álbum Barra da Saia, pré-selecionado para o 24o. Prêmio de Música Brasileira (ouça em  HYPERLINK “http://www.karymehass.com/discografia.php” http://www.karymehass.com/discografia.php).  – uma belíssima versão do hino Muxima, canção tradicional no dialeto quimbundo (veja vídeo abaixo).

    Muxima exprime a súplica de alguém, que, acusado de feitiçaria, pede que o leve ao santuário que dá nome à música para provar sua inocência. Segundo a crença, se um feiticeiro pisa naquelas terras em que Nossa Senhora apareceu duas vezes, morre na hora. “Quero muito conhecer a Capela de Nossa Sra. de Muxima”, anima-se Karyme.

Musseque

    Com 7 Cordas, a cantora fará também uma visita a uma ‘musseque’ (como são chamadas as favelas em Angola). “Juntos, tocaremos algumas músicas de Barra da Saia”, conta Karyme. “Vamos levar um pouco da energia do samba a eles e, claro, beber na fonte do semba, ritmo tão quente e contagiante como o nosso!”

    É nesse terreiro afro-brasileiro que Karyme vai experimentar o que inspirou Clara Nunes – que ela homenageou com o recém-lançado single Clareia – a cantar É Baiana e Ilu Ayê, sucessos em 1972, quando se firmou como cantora de samba, abraçando a cultura e o visual afro.

    Assita a Muxima com Karyme e Calinhos 7 Cordas: