Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Sereia em destaque da Viradouro: escola diz que tanque com sete mil litros de água foi para avenida. Foto: ReutersSereia em destaque da Viradouro: escola diz que tanque com sete mil litros de água foi para avenida. Foto: Reuters

Viradouro ganha com Ganhadeiras de Itapuã

(Rio de Janeiro, brpress) - Escola aposta no empoderamento feminino, homenageando as lavadeiras descendentes de escravas, com ritmistas mulheres que se estenderam até a Ala da Força, que empurra alegorias.

(Rio de Janeiro, brpress) – As Ganhadeiras de Itapuã, grupo musical de lavadeiras baianas descendentes de escravos, deram à escola de samba Unidos do Viradouro o troféu de campeã do Carnaval 2020 do Rio de Janeiro. 

O enredo, inspirado nas cantigas das ganhadeiras, fala da história destas mulheres consideradas as primeiras feminista do Brasil. Por isso, a Viradouro – escola que fez história sob o comando do carnavalesco Jõaosinho Trinta (1933-2011) – levantou a bandeira do empoderamento feminino.

Na bateria e na Ala de Força 

Todo o último setor da Viradouro foi exclusivamente feminino: destaques a componentes de alas, diretores de ala e de harmonia até a Ala da Força – funcionários que empurram as alegorias. As ritmistas tiveram fantasia diferente das dos homens da bateria. 

O nome Ganadeiras vem do fato de que, quando o grupo conseguia algum dinheiro, comprava a alforria de escravos da região. Essas mulheres faziam trabalhos manuais e vendiam cestos de palha, colares e adereços, como as chamadas joias de crioula – adornos geralmente de prata usados por africanas. Muitas ganhadeiras tinham mais de um marido. 

Musicalidade

Da musicalidade das Ganhadeiras de Itapuã, que cantam à beira da Lagoa do Abaeté,  nasceu o samba de mar aberto, que mescla características com as cirandas nordestina.

Além da musicalidade do grupo, a Viradouro também retratou a religiosidade delas, conforme revelam os carnavalescos Tarcísio Zanon e Marcus Ferreira. Eles são casados há cinco anos e trabalharam em dupla pela primeira vez na Viradouro.

O grupo de encerramento do destile se chamou “Lute como uma Mulher!” e levou mulheres negras ligadas à pauta feminista à Sapucaí.