Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Células-tronco trazem esperança

(brpress) – Diversos estudos internacionais mapeiam resultados de tratamentos de 300 doenças com a técnica, que ainda envolve riscos.
(brpress) – O uso de células-tronco, esperança para portadores de graves problemas de saúde, como forma de tratamento vem evoluindo gradativamente. Já há estudos avançados sobre esta opção clínica, que pode levar à curamais de 300 doenças. Entre eles, uma pesquisa do Instituto Karolinska, na Suécia, mostrou como as células-tronco contribuem para a formação de novas células da medula espinhal em camundongos.
 
O estudo sueco demonstrou que as “células reparadoras” são inativas em uma medula espinhal saudável. Neste cenário, a formação de células novas acontece principalmente pela divisão das mais maduras. Porém, quando a medula é danificada, as células-tronco são ativadas e se tornam a principal fonte de “renovação”, mesmo que em quantidade insuficiente para restaurar a lesão.  
 
“A melhora de pacientes paraplégicos ainda é uma incógnita para os cientistas. Mas acredito que esta experiência trará resultados surpreendentes para nós”, diz o diretor do Centro de Criogênia Brasil, Carlos Alexandre Ayoub.
 
Expectativas e riscos
 
Por meio do uso de células-tronco, capazes de se transformar em qualquer um dos 216 tipos de células do corpo humano, a ciência espera solucionar grande parte dos problemas atuais relacionados à saúde. Entre eles, eliminar a dependência de transplantes ao reconstruir órgãos inteiros com o procedimento. “Por isso, cada vez mais casais buscam coletar e armazenar as células-tronco do cordão umbilical de seus bebês”, explica Ayoub.
 
No entanto, o uso destas células ainda é experimental em diversos casos – exceto em leucemias e algumas doenças genéticas, que as têm utilização padrão no tratamento. Cientistas admitem riscos nos procedimentos técnica e temem que, em alguns casos, “efeitos colaterais”, como tumores, possam surgir.

Comentários

Publicar Comentário