Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Imagem clicada em um arranha-céu paulistanoImagem clicada em um arranha-céu paulistano

Para viajar com Wim Wenders

(São Paulo, brpress) - Um viciado em lugares. Assim é Wim Wenders, que está no Brasil, para a abertura de sua exposição de fotografias, Lugares, Estranhos e Quietos.

(São Paulo, brpress) – Um viciado em lugares. Assim é Wim Wenders. No Brasil, para a abertura de sua exposição de fotografias, Lugares, Estranhos e Quietos, nesta quarta (20/10), no Masp, dentro da 34a. Mostra Internacional de Cinema, o arteiro germânico, mais conhecido como cineasta, diretor dos clássicos Paris, Texas (1984) e Asas do Desejo (1987), e clipes da “fase alemã” do U2, conversou com a imprensa sobre fotos, filmes e viagens.

    “Nasci com esse vício”, diz, sobre o fato de não viver sem viajar, o que considera um privilégio, e conhecer os tais lugares. Qualquer canto, de preferência deteriorado ou abandonado (“esses têm mais história”), está valendo e ganha atenção do mestre das câmeras. “Gosto de procurar os mais estranhos recôncavos do universo”, assume, partidário da seguinte teoria: “Quem procura acha o que quer – aquilo que imaginou que acharia”.
     
    Wenders raramente se engana – ainda mais depois de uma vida dedicada à busca por landscaps (“coisa de menino que queria ser pintor”, explica, e daqueles tragicamente românticos, como o conterrâneo Caspar David Friedrich). Nas fotos de Wenders, são paisagens e os tais lugares que fazem o cenário quase sempre desolador e surreal (ou seria hiper-real?), como num Paris, Texas estático e global.

    Com Wenders, viajamos para cafundós  e signos tão distintos quando um cemitério na Armênia, o alto de um arranha-céu em São Paulo, um grafite de Os Gêmeos em Wuppertal, um parque dos dinossauros no Deserto de Mojave e uma cratera de meteorito na Austrália. Passamos também por uma roda gigante enferrujada e uma casa toda furada de balas num bairro judeu em Berlim. Depois, um banco vermelho.

Imagens-almas

    As imagens surgem em ampliações como interrogações, calmas, inertes, gigantes, intrigantes, imponentes, lembrando que são obras do homem.  Ao primeiro instante, do olhar apurado, poético e assombrado de um homem. “Acredito que essas são as verdadeiras almas das pessoas”, comenta, para depois se chamar de “antigo” por odiar ambientes criados artificialmente, em computador. 

    O mundo tem tanto canto interessante que Wenders não vê a necessidade de se criar outros.  “Gosto dos lugares vazios. Quando tem gente, espero ir embora para fotografar. Passo a conhecer o local de maneira melhor durante a espera”, revela, óclinhos redondo, terninho estiloso, anéis delicados, o cabelo moderno para um sujeito de 65 anos. Afinal, ele é Wim Wenders, testemunha ocular da Queda do Muro.

    Coadjuvante com seu olhar em tudo que recria por meio de suas câmeras – seja de cinema, de foto ou 3D, tecnologia pela qual se apaixonou e na qual filmou um documentário da bailarina  Pina Bausch (1940-2009) –, Wenders é um dos grandes artistas destes tempos de reprodutibilidade e ideias fáceis. Privilégio é tê-lo entre nós como guia de viagens.

    Em tempo: quatro filmes de Wim Wenders são exibidos na Mostra. São eles: Paris, Texas (1984), Asas do Desejo (1987), Até o Fim do Mundo (1991)  e O Filme de Nick (1980).

    Veja aqui [http://br.mostra.org/director/278] as sessões dos filmes do diretor que serão exibidos na Mostra.

    Os ingressos variam entre R$ 7,00 (meia) e R$ 18,00.  

    Visitação: terça a domingo, das 11h às 18h; quinta, das 11h às 20h. Até 09/01/2011.

    Para mais informações sobre a exposição, acesse: http://masp.art.br/masp2010/

(Juliana Resende/brpress)

MASP – Av. Paulista, 1578; (11) 3251-5644

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.

Comentários

Publicar Comentário