Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

PrEP: realidade no Reino Unido que deve chegar em breve ao Brasil. Foto: DivulgaçãoPrEP: realidade no Reino Unido que deve chegar em breve ao Brasil. Foto: Divulgação

Começa maior teste do PrEP no Reino Unido

(Londres, brpress) - Clínica Dean Street, a maior na Europa para tratamento de DSTs, reduziu em 40%, pelo segundo ano consecutivo, infecções pelo vírus, utilizando a Profilaxia Pré-Exposição e ART (Terapia Antiretroviral).

(Londres, brpress) – Começou este mês o uso monitorado do PrEP (Profilaxia Pré-Exposição) no sistema público de saúde da Inglaterra, o National Health Service (NHS). O PrEP será utilizado por 10 mil pacientes HIV negativos, sendo homens que fazem sexo com homens e parceiros HIV negativos de casais soro-discordantes (de ambos os sexos). Será o  maior e mais longo teste com o PrEP conduzido até hoje no mundo. 

 Em Londres, a clínica Dean Street, a maior na Europa para tratamento de DSTs, reduziu em 40%, pelo segundo ano consecutivo, as infecções de HIV, utilizando o PrEP e ART (Terapia Antiretroviral) com intenso monitoramento dos pacientes (um em cada nove portadores do HIV no Reino Unido tratam na Dean Street). 

Foram 679 diagnósticos em 2015, 393 em 2016 e este ano, até julho, foram contabilizados 233 novos casos. A meta é chegar ao final de 2017 abaixo de 2016. A clínica Dean Street, situada no Soho (bairro boêmio e o maior reduto gay do Reino Unido) e integrada ao Chelsea and Westminster Hospital, mantido pelo NHS, está entre as primeiras de Londres que vão oferecer o PrEP no novo teste. 

‘Fim do HIV’

 Animado com os resultados do pré-teste do PrEP conduzido com 1000 homens que fazem sexo com homens na clínica (PROUD), que cortou em 86% a contaminação de parceiros negativos em relações sem camisinha, o médico-chefe da Dean Street, Alan McOwan, anunciou o Zero Plan, programa que pretende zerar a taxa de transmissão do HIV. 

“Finalmente temos as ferramentas para acabar com o HIV”, disse McOwan ao Evening Standard. “Vamos eliminar o HIV se continuarmos agindo juntos”. O site/campanha IWantPrEPNow, fundado pelo pioneiro no uso do PrEP, Greg Owen, em 2015, é um dos principias canais de informação e atualização sobre o PrEP, que deve chegar mais amplamente a todo o NHS (o SUS britânico) até abril de 2018. 

Atualmente, só Escócia e País de Gales distribuem a medicação gratuitamente (na Irlanda do Norte não há distribuição pelo NHS). Na Inglaterra, ONGs criticaram a distribuição inicial a somente 10 mil pessoas. O teste será realizado por três anos a um custo total de 10 milhões de libras (cerca de R$ 50 milhões). 

O documentário PrEP17, sobre o uso do PrEP durante o teste PROUD PrEP, foi realizado pelo cineasta Nicholas Feustel, que acompanhou pacientes, ativistas e profissionais de saúde envolvidos. É o primeiro registro panorâmico do tratamento e seus efeitos. 

No Brasil

Segundo a imprensa brasileira, o PrEP deve ser distribuído no SUS ainda este ano e, este mês, um estudo sobre o medicamento foi publicado no site do PrEP Brasil. Será o primeiro país da América Latina a realizar a distribuição gratuita do PrEP, que terá investimento inicial de US$ 1,9 milhão para a compra do medicamento. 

No Brasil, o PrEP será destinado, em um no primeiro, momento a 7 mil pessoas que fazem parte das populações-chaves em 12 estados brasileiros. O Ministério da Saúde afirma que essa medida deverá aumentar conforme a demanda. “O Brasil, mais uma vez, sai como um dos pioneiros na prevenção e tratamento do HIV”, afirmou o ministro Ricardo Barros, durante entrevista coletiva. 

Na África

O maior teste com PrEP injetável vai acontecer entre mulheres sexualmente ativas em países  da África Subsaariana, com alto risco de infeção pelo HIV. Os pesquisadores que estão conduzindo o estudo, coordenado pelo National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID), um dos 27 institutos do National Institutes of Health (NIH), que é parte do Department of Health and Human Services (HHS), agência do governo dos EUA, buscam 3.200 voluntárias, de idades entre 18 e 45 anos. A verba para o estudo vem de um parceria público-privada entre o NIAID, a Fundação Bill e Melinda Gates e o laboratório ViiV, especializado em tratamentos para o HIV.