Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Casamento Real

(Londres, brpress) - Evento reafirma legitimidade da monarquia liberal britânica entre sua população, como nenhuma outra desfruta. Por Issac Bigio.

Issac Bigio*/Especial para brpress

(Londres, brpress) – Na semana que termina com o casamento Real, tive a oportunidade de percorrer várias partes do Reino Unido, estudando como seus habitantes se preparam para tal acontecimento. Cheguei a visitar um dos principais castelos onde reside a rainha, e o iate real, que, durante 44 anos, transportou Elizabeth II, levou os príncipes Charles e Diana em sua lua-de-mel e no qual William deverá percorrer seu país e o mundo.

Uma coisa que pude constar é a tremenda força da tradição monárquica. Desde a Inglaterra até a Escócia. Possivelmente, nenhuma outra monarquia desfruta de tal grau de legitimidade entre sua própria população. As que subsistem no mundo árabe e na Ásia baseiam-se em muita coerção e repressão, enquanto que no Reino Unido, desde que se fundou, em 1707, a monarquia respeitou liberdades e realizou eleições parlamentares.

Nos seus 314 anos de existência, o Reino Unido nunca conheceu um golpe ou uma revolução, invasão ou guerra civil (ainda que tenha sofrido bombardeios nazistas e enfrentado conflitos armados na Irlanda e na Escócia). Nenhuma potência e nenhuma outra monarquia do planeta têm tal grau de estabilidade.

Liberal

A realeza britânica fez-se forte distanciando-se do obscurantismo e da grande concentração de poder que levaram à ruína outras famílias de sangue azul. Permitiu governos baseados em eleições multipatidárias e liberdades de culto e de comércio, o que lhe deu uma vantagem sobre o autoritarismo espanhol e abriu-lhe a possibilidade de converter-se no centro da revolução industrial e da maior frota mundial.

O fato de o Reino Unido ter se transformado no primeiro país com uma população majoritariamente urbana e coberto de fábricas deu à monarquia inglesa um enorme peso econômico e social, que se consolidou na formação do maior império ultramarinho de todos os tempos (uma das heranças da Commonwealth, liderada por Elizabeth II).

Competência

A coroa ganhou legitimidade em sua população combinando a salvaguarda da soberania nacional contra diversas fracassadas invasões (desde a espanhola de Felipe II até a nazista de Hitler, ambos encabeçando os maiores impérios de suas épocas), com a capacidade de significar a preservação das tradições imperiais, culturais e de tolerância britânicas.

A resposta que deu ante a emergência de poderosos movimentos sindicais e socialistas foi, assim como nas monarquias do Mar do Norte, cooptá-los ao sistema, permitindo que estes movimentos tivessem seus próprios governos, realizando reformas sociais que deram origem a sistemas educacionais e de saúde mais avançados que os dos EUA.

Renovação

A britânica é uma monarquia que se consolidou renovando-se e atraindo lindas mulheres fora de seu círculo tradicional (como Diana e Kate), que atuam como símbolos das portas abertas para a população “plebéia”.

Estive nos principais palácios reais como os de Windsor e Buckingham, mas o de Hollyrood, residência oficial da rainha britânica na Escócia, me chamou a atenção num sentido, pois está localizado em frente ao novo Parlamento escocês, que deve reeleger, no próximo dia 5 de maio, um governo pró-secessão.

A habilidade dos Windsor está em que, ainda que a Escócia se torne independente, a coroa mantenha o país como outro de seus reinos (como o são Canadá e Austrália) e um dos membros da Commonwealth (como o são 54 países, incluindo a Índia e o Paquistão).

(*) Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina, pela London School of Economics. Tradução de Angélica Campos. Fale com ele pelo e-mail [email protected] ou pelo Twitter @brpress.

Isaac Bigio

Isaac Bigio vive em Londres e é pós-graduado em História e Política Econômica, Ensino Político e Administração Pública na América Latina pela London School of Economics . Tradução de Angélica Campos/brpress.

Comentários

Publicar Comentário