Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cate Blanchett é a conservadora Phyllis Scholarly na série Mrs. America. Foto: FX on HuluCate Blanchett é a conservadora Phyllis Scholarly na série Mrs. America. Foto: FX on Hulu

Cate Blanchett sobre Mrs. America: ‘Ela é legal’

(brpress) - Apesar de o ponto de vista conservador de Phyllis Schlafly – vivida pela atriz – ser protagonista, série aborda os dois lados do movimento feminista.

(brpress) – Na vida real, a atriz australiana Cate Blanchett – que a editora da brpress, Juliana Resende, entrevistou em Londres no lançamento do filme Carol – é o oposto de sua personagem na nova séria de FX, Mrs. America: a advogada antifeminista americana Phyllis Scholarly. Defensora da diversidade no cinema, Blanchett preside o júri do Festival de Cinema de Veneza este ano. 

Phyllis Scholarly foi a mulher mais influente da história do Partido Republicano. E tentou impedir a aprovação da histórica Emenda pela Igualdade dos Direitos, nos anos 70, que garante direitos políticos iguais para homens e mulheres.

‘Sou legal’

No Brasil, a série Mrs. America, que Blanchett também é produtora-executiva, será exibida pela HBO, ainda sem data de estreia). “Vocês não viram a série e podem acreditar: eu sou legal!”, brincou Cate Blanchett, com humor e fina ironia característicos, ao ser questionada sobre porque interpretar uma personagem que, sozinha, quase impediu a aprovação da Emenda. 

Apesar de o ponto de vista conservador de Schlafly ser o protagonista, a série aborda os dois lados do movimento feminino, abordando também a chamada Segunda Onda Feminista. Blanchett acredita que é simplismo demonizar as pessoas que têm opiniões diferentes da sua.  

Assista ao trailer de Mrs. America:

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.