Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

A vice-cônsul da Irlanda em São PauloA vice-cônsul da Irlanda em São Paulo

Irlandeses que dizem sim

(São Paulo, brpress) - Vice-cônsul da Irlanda comenta vitória do fim da ilegalidade do aborto com 66,40% dos votos, 35 anos depois de a emenda que tornava a lei que o proibia ainda mais rigorosa venceu com 66,90%. Por Juliana Resende.

(São Paulo, brpress) – Enquanto o Brasil segue refém de suas próprias escolhas (ou falta delas), a  Irlanda acordou mais livre nesta segunda-feira, depois que o “sim” pelo fim da ilegalidade do aborto venceu com 66,40% dos votos, em mais um histórico referendo realizado na última sexta-feira (25/05). O evento mobilizou opiniões, campanhas e companhias aéreas trazendo emigrantes ao país para votar, em proporções maiores que o referendo para o casamento gay, em 2015. 

 Só era possível votar pessoalmente, mas funcionários do governo irlandês em missões diplomáticas em outros países puderam votar nas embaixadas.  É o caso da vice-cônsul da Irlanda em São Paulo, Jill Henneberry, 29 anos, há nove meses no Brasil. “Votei sim”, entusiasma-se. “Mas confesso que senti por não poder estar lá in loco e viver a atmosfera e a energia que tomaram conta do país”. O Irish Times resume o resultado: “A ilusão de uma Irlanda conservadora e dogmaticamente católica foi pelos ares”. 

  Jill concorda e sua felicidade, no momento da entrevista exclusiva à brpress, só não era mais forte devido à preocupação se irá ou não conseguir voar para Dublin, onde nasceu, nesta semana em que voos em quase todos os aeroportos brasileiros estão sendo cancelados por falta da combustível devido à greve dos caminhoneiros. “Estamos vivendo num mundo em que é perigosa a regressão dos direitos das mulheres. É sempre importante avançarmos, ganhando terreno nestas questões”, ressalta.  

Mudanças radicais

Não são poucas as mudanças vividas nos últimos 10 anos na República da Irlanda. Há cerca de um ano, o Taoiseach (termo em gaélico para primeiro ministro) Leo Varadkar, 39 anos, tornou-se o primeiro premiê abertamente gay do país e o segundo da União Europeia (a primeira foi a islandesa Jóhanna Sigurðardóttir, de 2009 a 2013). Varadkar assumiu sua homossexualidade durante a campanha pelo direito ao casamento gay,  que também recebeu o sim da maioria dos irlandeses, há três anos. 

Há quem diga que foi feito muito oba-oba com a legalização do casamento LGBT na Irlanda e mesmo depois, com a ascensão de Varadkabr ao cargo mais importante do executivo do país. “É bom lembrar que ele foi eleito indiretamente e é conservador em direitos reprodutivos”, afirmou o belga Koen Slootmaekers, coautor do livro The EU Enlargement and Gay Politics (‘A Expansão da União Europeia e a Política para Gays’, em tradução literal) a esta repórter, ao ouvi-lo para reportagem sobre a ascensão de políticos LGBT na Europa, publicada pela Folha.

(Juliana Resende/brpress) 

#brpressconteudo #aborto #Irlanda

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.