Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Bailarinos da Cia. Deborah Colker desafia a gravidade em parede  de sete metros em VeRo. Foto: DivulgaçãoBailarinos da Cia. Deborah Colker desafia a gravidade em parede de sete metros em VeRo. Foto: Divulgação

Deborah Colker para ver antes da Rio 2016

(São Paulo, brpress) - Cia da coreógrafa que dirige a cerimônia de abertura da Olimpíada no Maracanã desafia a gravidade em VeRo.

(São Paulo, brpress) –  Está trancada a sete chaves qualquer informação antecipada de como será a cerimônia de abertura da Rio 2016 sob a direção de Deborah Colker. A brpress assistiu à Tatyana, trabalho que a coreógrafa levou ao Festival Internacional de Edimburgo, na Escócia, a bordo do London 2012 Festival, as Olimpíadas Culturais promovidas em 2012 pelo governo britânico paralelamente aos Jogos de Londres, onde conversamos com Deborah. Foi uma noite incrível e a companhia que leva o nome da coreógrafa foi ovacionada.

  Quatro anos se passaram e agora Colker ensaia seis mil voluntários nos segmentos de coreografias. Os ensaios começaram no final de maio em um enorme espaço com tendas e marcações ao ar livre, que imitam o estádio do Macaranã, onde a cerimônia de abertura da Rio 2016 acontece em 5 de agosto. Antes da festa carioca, o público pode assistir à Cia de Dança Deborah Colker na turnê do espetáculo VeRo – até dia 01/07 no Teatro Alfa, em São Paulo. 

Deborah resolveu juntar partes de Velox, espetáculo lançado em 1975, e Rota, de 1997, dois dos maiores sucessos de público da companhia, com mais de dois milhões de espectadores, para criar VeRo. Em seu primeiro ato, os movimentos Ostinato, Cotidiano e Sonar utilizam o vocabulário do balé clássico e da dança contemporânea, brincando com gestos do dia a dia e movimentos no solo, imprimindo força, leveza, humor, velocidade e dinâmica – marcas registradas da coreógrafa.

Ritmo e precisão

Com um repertório de gestos ordinários transformados em movimentos carregados de intenção, mas fora de seus contextos, VeRo evoca o drama, a comédia, o lúdico e o patético, mesclando ritmo e precisão na busca pelo equilíbrio perfeito. No fundo da cena, o palco verticaliza-se em uma parede de sete metros de altura, onde os bailarinos realizam um balé aéreo desafiando a lei da gravidade com uma mistura de Kung Fu, atletismo e jogos olímpicos – para entrar no clima.

No segundo ato, os bailarinos se deslocam em estado de flutuação, como astronautas dentro de uma nave sem gravidade. Os movimentos ganham novas densidades, em meio a manobras milimétricas e vagarosas, que demandam equilíbrio e resistência muscular extremos. A companhia experimenta várias possibilidades de caminhar em suspensão, em todos os sentidos e direções. 

Por fim, uma roda de cinco metros de altura toma conta do palco. Inspirada nos parques de diversões e na rotação da Terra, a roda é a mais perfeita tradução material da investigação em torno da física e da mecânica do movimento. Todos os movimentos dentro e fora da roda buscam a circularidade. Em fluxo contínuo, os bailarinos dançam sob forças centrífugas e centrípetas. A ação se propaga por cada uma das seis escadas e pelos meandros da roda, desenhando uma profusão de imagens de grande impacto visual.

Vitalidade e perigo

VeRo coloca em cena a eletrizante combinação de vitalidade e perigo. Como em todos os demais trabalhos de Deborah Colker – ex-jogadora de voleibol, antes de virar bailarina – , há uma ocupação radical do espaço cênico. A direção de arte e cenografia é de Gringo Cardia, a iluminação de Jorginho de Carvalho e os figurinos de Yamê Reis. VeRo será visto pela primeira vez em uma turnê especial que viajará nos meses de Junho e Julho pelo estado de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

Ingressos para VeRo no Teatro Alfa, em São Paulo, aqui.

Assista a Deborah Colker falando da abertura da Rio 2016: