Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Danilo AmaralDanilo Amaral

‘Pitch’ brasileiro em San Francisco

(brpress) - Evento StartupiCon: Valley Meets Brazil aproxima empreendedores nacionais e investidores do Vale do Silício, no calor do hype Brasil, na feira Disrupt. Por Juliana Resende.

(brpress) – Eles são ruidosos e falam num tom festivo, animado. A animação desses brasilleiros – em sua maioria empreendedores, desenvolvedores e entusiastas de novos negócios, as chamadas startups – não é à toa: “É um bom momento para ser empreendedor no Brasil”, garante o experiente investidor americano Ted Rogers, que mudou para o país e fundou a Arpex, uma das mais ativas firmas de venture capital abaixo da linha do Equador.    

 O crescente interesse de investidores em potenciais novas empresas brazucas levou o  pioneiro e mais influente blog sobre startups brasileiro, o Startupi (com acento no “i”, de Tupi) a realizar, nesta quinta (13/09), o encontro StartupiCon: Valley Meets Brazil, no calor da feira de TechCrunch Disrupt, que acontece de 08 a 12/09, em San Francisco (EUA) – que, este ano, contou pela primeira vez com o Brazilian Pavillion, espaço especial onde cerca de 40 jovens empresas tupiniquins expuseram ideias e cases para investidores estrangeiros, majoritariamente do Vale do Silício.

Realismo e responsabilidade  

 Que chegou a hora dessa gente brozeada (ok, nem tanto!) mostrar seu valor não resta dúvida. “Existe oportunidade no Brasil, mas o país não é um “velho Oeste” a ser desbravado”, ressalta o empreendor serial Bob Wollheim, sócio do Startupi e fundador do youPIX, o maior festival de cultura na internet do Brasil, ele mesmo fazendo ‘pitch’ no evento com a Appies.co, uma “aceleradora” voltada para desenvolvedores de APPs, os adorados aplicativos para smartphones.

“É preciso fornecer mais subsídios a estes investidores estrangeiros sobre o processo de fazer negócios no país. Mostrar um cenário mais pé no chão, com discussões e participantes mais maduros, compartilhando experiências de sucesso e fracasso”, acredita. Wollheim, que tem como parceiro o investidor Danilo Amaral, da Trindade Investimentos, na Appies, concorda que há um hype em torno do Brasil e acha isso ótimo.

“Grande parte da energia empreendedora precisa de hype – ajuda a chamar atenção e dá coragem para fazer”, diz. “Mas percebemos que é preciso informação mais consistente para nortear investidores estrangeiros no Brasil”. Ou seja: num país complexo, com suas idiossincrasias e burocracias, a começar pela busca de sócios e parceiros brasileiros – “para que eles próprios se tornem mais ‘brasileiros’ “, recomenda Wollheim. Danilo Amaral, vuja empresa patrocina o StartupiCon: Valley Meets Brazil, tem outra receita: “Antes de fazer negócios no Brasil, tem que aprender a comer frango a passarinho com a mão!”

(Juliana Resende/brpress)

Juliana Resende

Jornalista, sócia e CCO da brpress, Juliana Resende assina conteúdos para veículos no Brasil e exterior, e atua como produtora. É autora do livro-reportagem Operação Rio – Relatos de Uma Guerra Brasileira e coprodutora do documentário Agora Eu Quero Gritar.