Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Cena do espetáculo VeroCena do espetáculo Vero

‘Surpresa é surpresa’, diz Deborah Colker

(brpress) - “Não estou em pânico”, diverte-se a coreógrafa com especulações e tentativas da mídia de revelar alguma coisa sobre a festa que acontece dia 05/08, no Maracanã. 

(brpress) – Deborah Colker acha graça quando lhe perguntam se está apreensiva com os finalmentes de sua coreografia com milhares de voluntários e profissionais, aguardada como um highlight da cerimônia de abertura da Rio 2016. “Não estou em pânico”, diverte-se com as especulações e tentativas da mídia de revelar alguma coisa sobre a festa que acontece dia 05/08, no Maracanã – e que está sendo guardada a sete chaves. 

“Surpresa é surpresa”, disse em entrevista à Rádio BandNews FM. Quem quiser pistas de como será a apresentação, pode fazer como a gente, aqui na brpress, e assistir a Vero, agora em cartaz no Teatro João Caetano, no Rio – atlético trabalho da coreógrafa em que a abertura dos Jogos Olímpicos 2016 é inspirada. “Somos que nem atleta – nos preparamos bem antes para o momento de glória”. Medo de repetir o mico que foi a abertura da Copa 2014? Nem pensar. “O desafio é o mesmo de qualquer outro trabalho”, assegura. 

O maior desafio é manter a atenção da audiência, estimada em 3 bilhões de pessoas em todo o mundo – a despeito dos diferentes fusos horários ao redor do planeta. Na construção da cerimônia, a dosagem dos momentos mais cativantes foi pensada para a transmissão pela televisão não ser enfadonha. Coreografias e encenações representarão o brasileiro alegre e hospitaleiro, sua capacidade inventiva, o dom de misturar ritmos e o ambiente do País, com florestas, praias, fauna. 

Fazendo jus à fama de workaholic e (literalmente) atirada que lhe rendeu um Olivier Awards pela Extraordinária Contribuição à Dança (‘Outstanding Achievement in Dance’) por Mix, apresentado em Londres, no Barbican Centre, em 2001 – e um espetáculo de Tatyana dentro da programação do festival cultural London 2012, paralelo às Olimpíadas de Londres, no Festival Internacional de Edimburgo, o Fringe –, Colker diz que as dimensões da abertura de uma Olimpíada também não a assustam.

Internacionalizada 

“Ao longo dos meus mais de 25 anos de carreira, venho falando com públicos de todas as partes do mundo. Acho que o prêmio Olivier, que ganhei em Londres, abriu caminho para a internacionalização do meu trabalho”, acredita Colker. Depois veio o convite para fazer uma coreografia para o Cirque Du Soleil e também um espetáculo de dança durante a Copa 2006, na Alemanha. “Eu e o Fernando Meirelles (cineasta encarregado de dirigir a abertura e o encerramento da Rio 2016) já falamos com audiências internacionais com nossos trabalhos. Cidade de Deus o consagrou”.

  Deborah Colker e Fernando Meirelles compõem o time artístico que comanda a festa olímpica, juntamente com os também cineastas Andrucha Waddington e Daniela Thomas, a carnavalesca Rosa Magalhães e o cenógrafo Abel Gomes. Tem vazado na mídia que a coreografia de Colker terá samba e funk. 

A apresentação de dança, com cerca de uma hora de duração, contará com 5.500 pessoas, entre elas, 300 bailarinos, acrobatas e praticantes de parkour (atividade que consiste em superar obstáculos por meio de saltos). Os demais são voluntários, de 16 a 80 anos e profissões diversas, e que foram selecionados em audições. Divididos em grupos, ensaiam desde o começo do mês de maio. Os dois últimos treinos, com todos em cena, serão nos próximos dias, já com figurinos –  assinados pela italiana Silvia Aymonimo, que “vestiu” quatro Olimpíadas, inclusive a de Londres – e maquiagem artística. 

Leia mais sobre o espetáculo Vero, de Deborah Colker aqui.