Acesse nosso conteúdo

Populate the side area with widgets, images, and more. Easily add social icons linking to your social media pages and make sure that they are always just one click away.

@2016 brpress, Todos os direitos reservados.

Homenagem à Marielle Franco no desfile da escola de samba Tom Maior. Foto: DivulgaçãoHomenagem à Marielle Franco no desfile da escola de samba Tom Maior. Foto: Divulgação

Marielle faria 41 dois anos e quatro meses após assassinato ainda não resolvido

(brpress) - Enquanto Instituto Marielle Franco busca valorizar legado da ex-vereadora e ativista de direitos humanos, crime continua encontrando barreiras para resolução e ligações com clã Bolsonaro.

(brpress) – Neste 27 de julho, Marielle Franco, faria 41 anos. O instituto com seu nome criado para continuar trabalho da ex-vereadora anunciou que abrirá a Escola Marielles, em 2021. Os recursos foram obtidos por meio de financiamento coletivo. O Instituto Marielle Franco busca valorizar o legado da feminista e ativista de direitos humanos assassinada há dois anos e quatro meses – um crime ainda sem solução.

A Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) indiciou por tráfico internacional de armas o PM reformado Ronnie Lessa – preso e acusado pelos homicídios de Marielle e do motorista Anderson Gomes. Segundo o delegado Marcus Amim, titular da delegacia, Ronnie traficava armas dos Estados Unidos desde 2014 com a ajuda da filha, que morava no país. Mohana Figueiredo e também foi indiciada. 

“Até pouco tempo antes de ser preso, ele estava praticando essa atividade”, explicou Amim. Na casa de Lessa, foram encontrados 117 fuzis incompletos. O arsenal, segundo a delegacia, era todo falsificado e seria vendido a criminosos.

Bala “misteriosa”

Quando a vereadora Marielle Franco e o seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados no Rio de Janeiro, em março de 2018, investigadores encontraram no local do crime munições vendidas exclusivamente para a Polícia Federal. Esse fato chamou a atenção do Ministério Público Federal, que pediu a instauração de um inquérito.

Dois anos depois, as apurações conduzidas pela PF não esclareceram como executores da então vereadora do PSOL tiveram acesso a munições de uso restrito. Com isso, o delegado responsável pelo caso pediu o arquivamento do inquérito. 

Mas o Ministério Público Federal não aceitou. No dia 29 de junho, o procurador Eduardo Benones solicitou o aprofundamento da investigação para esclarecer o “mistério”. 

Escritório do Crime

O responsável pela investigação da morte da vereadora Marielle Franco, delegado Daniel Rosa, afirmou no final de junho que o grupo denominado Escritório do Crime não tem ligação com a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. “Não temos comprovação de que Ronnie Lessa teria intergrado o Escritório do Crime, apesar dele ter uma certa aproximação com estes criminosos”, explicou o delegado.  

Em março deste ano, a Justiça determinou que Ronnie e o ex-PM Élcio Queiroz seja julgados por júri popular pelas mortes de Marielle e Anderson. A impunidade é um dos fatores que levaram o Brasil a um retrocesso, segundo o relatório Direitos Humanos nas Américas: Retrospectiva 2019, da Anistia Internacional. 

O suposto envolvimento de Jair Bolsonaro no caso do assassinato da então vereadora do partido de esquerda Psol poderia levar a investigação ao Supremo Tribunal Federal (STF), pelo fato de o presidente ter foro privilegiado. Um dos envolvidos na morte de Marielle anunciou na portaria do condomínio que iria à casa de Bolsonaro, mas foi para a do ex-policial militar Ronnie Lessa, que mora no mesmo condomínio que o presidente do Brasil. Mas ficou provado que Bolsonaro estava em Brasília naquele dia. 

Advogado de miliciano e Flávio 

No entanto, as ligações entre o clã Bolsonaro, seus advogados e a milícia fluminense ganharam um novo elo: o advogado que assumiu a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos RJ) no inquérito das rachadinhas. Rodrigo Roca já defendeu o miliciano Orlando Oliveira Araújo, que liderava um grupo de paramilitares que atuavam em Curicica, na zona oeste do Rio de Janeiro.

Orlando Curicica, como o ex-policial é conhecido, chegou a ser apontado por uma testemunha como o mandante do assassinato de Marielle e Anderson, ocorrido em 14 de março de 2018. Porém, a acusação foi desmentida quando Orlando denunciou uma trama para obstruir as investigações, incluindo uma testemunha falsa. Ele está preso no presídio federal de Mossoró (RN).

Ainda durante a investigação, foi Orlando Curicica quem denunciou, em 2018, o envolvimento dos membros do Escritório do Crime – grupo de matadores de aluguel formado por policiais militares da ativa e ex-policiais – na execução de Marielle e Anderson.

#brpressconteudo #mariellefranco #QuemMandouMatarMarielle

Comentários

Publicar Comentário